Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.871,50
    +5,00 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    35.601,88
    +1.201,90 (+3,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    696,42
    -4,19 (-0,60%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,24 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    13.317,50
    +23,25 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4108
    -0,0878 (-1,35%)
     

Argentina aprova taxa única sobre grandes fortunas para financiar combate à pandemia

Por Maximilian Heath
·1 minuto de leitura

Por Maximilian Heath

BRASÍLIA (Reuters) - O Congresso da Argentina aprovou, na noite de sexta-feira, um imposto a ser cobrado uma única vez de pessoas com grandes fortunas pessoas para tentar aumentar a receita federal do país em meio ao impacto causado pela pandemia de COVID-19.

Os senadores aprovaram a chamada Lei de Solidariedade e Contribuição Extraordinária por 42 votos a favor e 26 contra. O texto já havia sido aprovado anteriormente pela Câmara dos Deputados.

A nova lei estipula um imposto único de pelo menos 2% a ser cobrado de pessoas com ativos que passem de 200 milhões de pesos argentinos (2,45 milhões de dólares), o que o governo espera que leve a uma arrecadação de cerca de 3,7 bilhões de dólares.

"O #AporteSolidario é extraordinário porque as circunstâncias são extraordinárias", disse a senadora Anabel Fernandez Sagasti em sua conta no Twitter. "Precisamos encontrar pontos de conexão entre aqueles que mais têm a contribuir e aqueles que precisam”.

A receita do imposto será usada para comprar equipamentos e suprimentos para combater a COVID-19, financiar assistência a pequenas e médias empresas, apoiar bairros pobres e ajudar a desenvolver o setor nacional de gás natural.

A lei, encabeçada pela coalizão governista peronista do presidente Alberto Fernandez, recebeu críticas da oposição mais conservadora. A Argentina, a terceira maior economia da América Latina, está entrando em seu terceiro ano de recessão, com alta inflação e um forte aumento da pobreza.