Mercado abrirá em 1 h 16 min

Argentina: Após posse de Fernández, três kirchneristas deixam a cadeia

Sylvia Colombo, da Folhapress

Fernández prega a separação dos poderes, o fim da promiscuidade entre o Executivo e o Judiciário e da corrupção de juízes para obedecer a fins políticos "Não pode haver um governo peronista com peronistas presos." A frase, no mínimo absurda, foi dita alguns dias após a vitória de Alberto Fernández à Presidência da Argentina por um peronista: o ex-ministro do Planejamento Julio De Vido, que estava... preso.

Obviamente, virou piada no país em que há um ditado popular propagado pelo próprio ex-presidente Juan Domingo Perón: "Os argentinos podem ser de esquerda ou de direita, mas todos somos peronistas".

Ao ouvir a frase, num programa de TV, a então ministra de Segurança de Mauricio Macri, Patricia Bullrich – ela mesma uma ex-peronista –, riu: "Bom, então temos de soltar todos".

Para além da anedota, porém, há pelo menos oito figuras do primeiro escalão de governos kirchneristas anteriores que respondem a processos por corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha – a maioria deles atrás das grades.

Um deles já foi condenado. Trata-se de Amado Boudou, ex-vice-presidente do país entre 2011 e 2015, na gestão de Cristina Kirchner, acusado de tráfico de influência.

Fernández já se referiu a ele como um "injustiçado", mas por ora não fez nenhum movimento por uma apelação ou abrandamento da pena de cinco anos e dez meses de prisão que Boudou já cumpre. O protagonista de um dos casos mais famosos foi solto nesta sexta (20). José López, ex-secretário de Obras Públicas, é acusado de levar US$ 9 mi a um convento de freiras.

As imagens, que viralizaram no país, mostram López se aproximando da porta do convento com bolsas cheias de dinheiro; uma freira aparece e recolhe tudo.

A investigação concluiu que o convento era usado para esconder dinheiro, mas a defesa conseguiu inocentar as religiosas, alegando que elas não sabiam o que havia nas bolsas.

López foi preso em 2016 e vai esperar o julgamento por corrupção e enriquecimento ilícito em prisão domiciliar.

Outros dois kirchneristas que estavam em regime de prisão preventiva saíram da cadeia seis dias após a posse do novo presidente argentino.

São eles Julio De Vido, autor da polêmica frase do governo peronista sem peronistas presos, e seu assessor, Roberto Baratta. Os dois estavam detidos porque foram citados nos "cadernos da corrupção", escândalo detonado por anotações de um motorista do governo kirchnerista que registrou valores de propina entregues a políticos por empresários em busca de vantagens em obras públicas.

Tanto o ex-ministro do Planejamento quanto Baratta já estão em casa, com tornozeleiras eletrônicas, e aguardarão o fim do processo em prisão domiciliar.

Outra que tem chance de ser libertada em breve é Milagro Sala. Ela, que passou mais de um ano presa sem acusação formal, foi condenada por "chefiar uma associação ilícita".

Sala é um tipo de líder regional, sem cargo público, muito comum nas províncias mais pobres da Argentina. Trabalhava como operadora política, distribuidora de pacotes assistencialistas e chefiava uma milícia em Jujuy.

Repórteres que iam à província apurar abusos do grupo de Sala eram ameaçados e expulsos e, além de desvio de verbas e extorsões, atribui-se a pessoas lideradas por Sala execuções e remoção de suas casas.

Em dia de eleições, ela garantia que houvesse transporte e distribuição de comida para que eleitores de Jujuy votassem no kirchnerismo.

Uma das primeiras ações do governo Macri foi prendê-la. Mas, por uma demora da Justiça local, ela permaneceu atrás das grades sem uma acusação formal por mais de um ano.

Enquanto isso, do lado de fora, uma campanha liderada pelo kirchnerismo com apoio de outros grupos de esquerda buscou transformá-la em símbolo de presa política do macrismo. Artistas ecoavam o pedido de sua libertação em shows, e até o papa Francisco pediu sua soltura.

Agora já há uma sentença, mas sua defesa apela da decisão devido ao período em que permaneceu presa sem acusações. Como é praticamente um caso pessoal para a vice Cristina, é possível que as acusações contra Sala sejam revistas.

Em seus discursos, Fernández prega a separação dos poderes, o fim da promiscuidade entre o Executivo e o Judiciário e da corrupção de juízes para obedecer a fins políticos.

Diz, no entanto, que uma de suas prioridades será uma "reforma integral da Justiça", para que, por exemplo, não existam mais prisões preventivas, segundo ele usadas para pressionar o fechamento de acordos de delação premiada.

Na lista de kirchneristas investigados estão também sindicalistas e a própria Cristina. Por isso, é preciso acompanhar que tipo de reforma no Judiciário Fernández pretende fazer e como essa mudança vai impactar nos processos contra seus aliados.