Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.407,24
    +698,20 (+1,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Archer diz que fixações de preços de açúcar para 2022/23 ficam abaixo do esperado

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - Após fixar vendas antecipadas de açúcar em níveis recordes para a safra 2021/22, antes mesmo do início da temporada em abril, as usinas brasileiras fizeram hedge de apenas 12% da exportação projetada para a commodity do ciclo 2022/23, disse nesta quinta-feira a consultoria Archer Consulting, em seu primeiro levantamento para a próxima campanha.

O sócio-diretor da consultoria, Arnaldo Correa, disse que os dados até 31 de março trazem "uma surpresa", indicando fixações que representam pouco mais de 3 milhões de toneladas de açúcar para o período.

"Antes de rodar o modelo, confesso que achava que esse percentual era maior. É claro que os modelos falham, mas os dados parecem bem consistentes", declarou ele em nota.

"O fato é que --não podemos esquecer-- o percentual de usinas que possui crédito, linhas de financiamento e conta de futuros aberta nas corretoras ainda é pequeno", acrescentou.

Ele destacou ainda que, para empresas com gestão de risco, folga no caixa e conta de futuros aberta e/ou acesso a operações de balcão estruturadas, esse percentual de fixações pode facilmente chegar aos 50%.

"Mas a realidade do setor é outra."

Para 2022/23, o preço médio apurado desde setembro é de 13,34 centavos de dólar por libra-peso, sem considerar o prêmio de polarização.

Até o final de fevereiro, usinas brasileiros tinham fixado vendas para mais de 85% da exportação da temporada 2021/22.

"Nós nunca tivemos uma situação como essa em que as usinas --mesmo antes de iniciar uma safra, como é o caso da 21/22-- já estivessem fixadas uma safra adiantada", comentou.

"As usinas nunca aproveitaram tão bem as oportunidades do mercado futuro, o que denota grande maturidade na gestão de risco."

(Por Roberto Samora)