Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.654,54
    -2.280,92 (-4,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Aras diz ao Supremo não ver motivo para investigar Bolsonaro por inquéritos da PF contra críticos do governo

MARCELO ROCHA
·3 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 27.09.2019 - Augusto Aras. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 27.09.2019 - Augusto Aras. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou ao STF (Supremo Tribunal Federal) na terça-feira (20) que não cabe investigar o presidente Jair Bolsonaro sobre eventuais inquéritos abertos pela Polícia Federal para apurar a conduta de críticos do governo.

Aras se posicionou sobre um pedido do PDT enviado ao Supremo no mês passado, após a PF abrir, por requisição do então ministro da Justiça, André Mendonça, um inquérito sobre a suspeita de que o ex-ministro Ciro Gomes cometeu crime contra a honra do chefe do Executivo.

No documento ao Supremo, o PDT defendeu a responsabilização penal de Bolsonaro e Mendonça por abuso de autoridade e crime de responsabilidade.

"Denota-se que o Ministério da Justiça e Segurança Pública está sendo utilizado pelo presidente da República para satisfazer os interesses provenientes do seu espírito emulativo", afirmou o partido.

Por determinação do ministro Luís Roberto Barroso, relator do caso no Supremo, o procurador-geral opinou sobre o assunto.

Ele disse que a legenda não indicou ato concreto de Bolsonaro para motivar uma apuração.

"No intuito de incriminar o presidente da Republica, [os autores da ação] valem-se somente de termos genéricos, deixando claro que deveria ser responsabilizado penalmente pelo fato de ser superior hierárquico do ministro da Justiça e Segurança Pública", afirmou Aras.

A PF abriu inquérito a respeito da conduta de Ciro após uma entrevista concedida pelo político do Ceará em novembro, na qual ele fez críticas a Bolsonaro no enfrentamento da pandemia da Covid-19.

Na ocasião, via assessoria de imprensa, Ciro afirmou que considerou na providência uma tentativa de intimidação de um opositor e que se trata de um ato de desespero de Bolsonaro.

"Não ligo para esse ato contra mim, mas considero grave a tentativa de Bolsonaro de intimidar opositores e adversários", disse ele, que é pré-candidato à Presidência em 2022.

O pedido de apuração chegou à polícia por intermédio de Mendonça, que recebeu do Palácio do Planalto o documento assinado pelo próprio presidente.

A legislação prevê, frisou Aras na manifestação ao Supremo, que é competência do titular da Justiça pedir a apuração de crimes contra a honra do presidente.

"Não ha como se pretender, unicamente em razão do vínculo precário de agente politico, responsabilizar criminalmente o presidente da República por atos praticados por seus ministros de Estado", disse.

Aras informou que na PGR (Procuradoria-Geral da República) tramita um procedimento preliminar para apurar a conduta de Mendonça sobre o uso da Lei de Segurança Nacional para investigar opositores do presidente.

Após a apuração preliminar, a PGR analisará se há elementos suficientes para abrir um inquérito e tornar o atual advogado-geral da União formalmente investigado no Supremo.

Em episódio recente, Mendonça também determinou à PF que investigasse a instalação de dois outdoors no ano passado em Palmas, no Tocantins, com críticas ao presidente Jair Bolsonaro e sua administração. Nas placas, o presidente foi chamado de "pequi roído".

O principal alvo do inquérito era o sociólogo e professor Tiago Costa Rodrigues, que arrecadou pouco mais de R$ 2.000 por meio de uma vaquinha online para custear as despesas. Rodrigues é dirigente do PC do B local.

Roberval Ferreira de Jesus, dono da empresa contratada pelo crítico de Bolsonaro para a prestação do serviço, foi incluído na apuração policial.

Um produtor rural apoiador de Bolsonaro levou o caso à PF, defendendo o enquadramento da dupla na Lei de Segurança Nacional.

A superintendência da polícia no Tocantins, no entanto, entendeu que o caso não se enquadrava na lei citada e que as expressões nos outdoors configuravam "injúrias, xingamentos e frases ofensivas", com potencial apenas para atingir a honra do presidente da República.

O caso chegou ao conhecimento do Ministério da Justiça. Mendonça requisitou, então, a abertura de inquérito à PF em Brasília.

No final do mês passado, a Procuradoria da República no Distrito Federal decidiu arquivá-lo por entender que as mensagens estampadas nos outdoors eram posições políticas e defendeu que é preciso respeitar o direito à liberdade de expressão dos cidadãos.