Mercado abrirá em 9 h 43 min
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,31
    -0,05 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.839,30
    +9,40 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    36.915,62
    -23,98 (-0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    722,81
    -12,33 (-1,68%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    29.373,50
    +510,73 (+1,77%)
     
  • NIKKEI

    28.597,19
    +354,98 (+1,26%)
     
  • NASDAQ

    12.883,75
    +81,50 (+0,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4019
    +0,0066 (+0,10%)
     

Aras diz ao STF que Bolsonaro tem direito de ser dispensado do depoimento sobre suposta interferência na PF

Aguirre Talento
·1 minuto de leitura
Alan Santos/PR

BRASÍLIA - O procurador-geral da República Augusto Aras afirmou em manifestação enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o presidente Jair Bolsonaro tem direito de ser dispensado de prestar depoimento, como solicitado por sua defesa no inquérito sobre supostas interferencias na Policia Federal.

Aras argumentou que Bolsonaro estaria exercendo o direito constitucional de ficar em silêncio, por isso se manifestou a favor do pedido. "Na qualidade de investigado, ele está exercendo, legitimamente, o direito de permanecer calado", escreveu. "Há de ser respeitada, pois, a escolha da autoridade investigada, que intenta exercer o seu direito ao silêncio, constitucionalmente garantido", afirmou Aras.

Agora, caberá ao ministro Alexandre de Moraes, relator do caso, decidir sobre o pedido da defesa do presidente.

O depoimento de Bolsonaro é a última diligência que faltava para a PF concluir o inquérito. Por isso, a Advocacia-Geral da União (AGU) solicitou que Bolsonaro fosse dispensado do depoimento e que a PF conclua logo a investigação. O inquérito foi aberto após acusação do ex-ministro da Justiça Sergio Moro de que Bolsonaro buscava interferir na nomeação de cargos para a PF para blindar aliados de investigações.

O Supremo ainda discutia se Bolsonaro teria direito de prestar depoimento por escrito ou se deveria depor de forma presencial. Por isso, diante da possibilidade de ter que prestar depoimento pessoalmente, a AGU se antecipou à discussão e solicitou a dispensa do depoimento.

Caso Moraes acolha a manifestação da AGU, a PF será liberada para concluir a investigação.