Mercado abrirá em 2 h 5 min
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,90
    -0,81 (-1,77%)
     
  • OURO

    1.812,40
    +6,90 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    16.936,96
    -1.042,21 (-5,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    330,57
    -39,95 (-10,78%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.365,32
    -25,77 (-0,40%)
     
  • HANG SENG

    26.819,45
    +149,70 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.537,31
    +240,45 (+0,91%)
     
  • NASDAQ

    12.186,75
    +34,50 (+0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3350
    -0,0027 (-0,04%)
     

Arábia Saudita flexibiliza regras de trabalho para estrangeiros

Vivian Nereim
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Arábia Saudita planeja suspender várias restrições polêmicas a trabalhadores estrangeiros, em uma revisão da política para o mercado de trabalho com o objetivo de atrair talentos de outros países e reduzir o desemprego.

Estrangeiros não precisarão mais da permissão do empregador para mudar de emprego, viajar para o exterior ou deixar o país permanentemente, de acordo com Sattam Alharbi, vice-ministro do Ministério de Recursos Humanos e Desenvolvimento Social.

Relatórios de “fuga” que empregadores podem emitir contra trabalhadores estrangeiros que deixam de ir trabalhar - o que efetivamente os torna fugitivos - serão abolidos e substituídos por um procedimento de rescisão de contrato, disse Alharbi em entrevista na quarta-feira.

As novas regras entrarão em vigor em 14 de março e se aplicam a todos os trabalhadores estrangeiros do setor privado, independentemente do salário, disse.

As mudanças podem ter grande impacto no mercado de trabalho da Arábia Saudita e na vida dos 10,5 milhões de trabalhadores estrangeiros que respondem por cerca de 30% da população do reino.

O atual sistema de “kafala” ou “patrocínio” - usado por expatriados nos países árabes do Golfo por décadas - tem sido criticado por grupos de direitos humanos como forma de servidão contratada. Economistas dizem que isso também incentiva a prática de empresas que contratam trabalhadores estrangeiros com salários mais baixos e mais facilmente exploráveis, mesmo com o aumento do desemprego na Arábia Saudita.

“Essas mudanças não são pequenas - são enormes”, disse Alharbi, explicando que o governo trabalhou na reforma por dois anos. “Nosso objetivo é alcançar mais inclusão para os sauditas, atrair talentos, melhorar as condições de trabalho, tornar o mercado de trabalho da Arábia Saudita mais dinâmico e produtivo.”

A maioria dos funcionários sauditas trabalha para o governo, que tende a pagar mais e oferecer maiores benefícios do que empresas privadas.

Ao aumentar a mobilidade da mão de obra, as mudanças forçarão empresas a subirem os salários e melhorarem as condições de trabalho para reter e competir por profissionais, disse Farouk Soussa, economista do Goldman Sachs.

“Embora inicialmente isso signifique maiores custos para empregadores, o resultado será o aumento da produtividade e uma maior disposição por parte dos sauditas de trabalhar no setor privado”, disse Soussa.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.