Mercado abrirá em 9 h 54 min
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,29
    -0,07 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.840,40
    +10,50 (+0,57%)
     
  • BTC-USD

    36.945,85
    +88,21 (+0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    724,16
    -10,98 (-1,49%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    29.256,80
    +394,03 (+1,37%)
     
  • NIKKEI

    28.601,32
    +359,11 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    12.882,00
    +79,75 (+0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4019
    +0,0066 (+0,10%)
     

Arábia Saudita afirma que aliados estão de acordo para resolver crise do Golfo

·2 minuto de leitura
O ministro e príncipe saudita Faisal bin Farhan al-Saud

Uma resolução da crise do Golfo entre Catar e Arábia Saudita e três de seus aliados árabes está próxima, garantiu neste sábado (5) à AFP o ministro das Relações Exteriores saudita, o príncipe Faisal bin Farhan.

"Estamos imersos nesse processo com nossos aliados e vemos perspectivas muito positivas para um acordo final", disse ele, especificando que a possível solução envolverá "todas as partes afetadas".

Até recentemente, esse conflito, que começou há três anos e que colocou um grupo de países da região contra o Catar, parecia insolúvel.

Mas o príncipe Faisal afirmou em uma entrevista à margem de uma conferência de segurança no Bahrein que avanços serão feitos muito em breve.

"O que vislumbramos é uma resolução que cubra todos os aspectos e que seja satisfatória para todas as partes envolvidas", disse ele quando questionado se o conflito se encaminhava para uma solução total.

Ele também garantiu que isso acontecerá "em breve".

A Arábia Saudita levou seus aliados Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito a cortar relações com o Catar em junho de 2017, argumentando que o país estava muito próximo do Irã e financiando movimentos islâmicos radicais.

Posteriormente, esses países expulsaram os cidadãos do Catar que residiam em seus territórios, fecharam seu espaço aéreo para os aviões catarianos e suas fronteiras e portos, separando algumas famílias mistas.

- Consulta sobre o Irã -

Na entrevista, o príncipe Faisal também pediu que os países do Golfo sejam consultados caso os Estados Unidos reativem um acordo sobre o programa nuclear iraniano.

"O que esperamos, acima de tudo, é que sejamos totalmente consultados, que nós e nossos amigos da região sejamos totalmente consultados sobre as negociações com o Irã", disse ele à AFP.

"A única maneira de chegar a um acordo duradouro é conduzir tal consulta", acrescentou ele durante a conferência de segurança em Manama.

"Acredito que constatamos, que devido às consequências do JCPOA (acordo de Viena sobre a energia nuclear iraniana), o não envolvimento dos países da região leva a um acúmulo de desconfiança e uma negligência de questões que são de real preocupação e que têm um efeito real na segurança regional", sublinhou o ministro saudita.

Quando questionado se o governo do presidente eleito dos EUA Joe Biden já havia feito contato com vistas a alguma forma de renovação do acordo com o Irã, o príncipe Faisal respondeu que não havia ainda contatos, mas que "estamos prontos para nos envolver com a administração Biden assim que ela assumir".

"Estamos convencidos de que o novo governo Biden, mas também nossos outros parceiros, incluindo os europeus, reconheceram plenamente a necessidade de envolver todas as partes regionais em uma resolução", disse ele.

sls/bfi/bl-pc/eg/mr