Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.343,24
    -1.302,71 (-2,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Aprovação de reformas não será fácil neste ano, diz Azimut Brasil

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O governo não tem uma base "supersólida" que respalde expectativa de aprovação "de tudo da agenda de reformas", e o caminho para tal não será fácil, disse Helena Veronese, economista-chefe na Azimut Brasil Wealth Management, para quem a lua de mel do mercado com o Congresso não acabou porque sequer chegou a começar.

"A eleição do Congresso não necessariamente implica aprovação automática das reformas. O governo vai sempre precisar manter um poder de negociação", afirmou a economista.

Nos últimos dias os ativos brasileiros reagiram negativamente a declarações das lideranças do Congresso sobre volta do auxílio emergencial sem necessariamente aprovação de contrapartidas fiscais, o que elevou temores de criação de mais despesas e de consequente furo do teto de gastos.

Veronese acredita que neste ano as PECs Emergencial e da reforma administrativa sejam aprovadas, com maior probabilidade para a primeira. "Não estou acreditando em muito mais reformas neste ano, não", afirmou.

O maior risco neste momento, segundo ela, continua a ser uma ruptura "pé na jaca" do teto de gastos. "O risco é um fiscal muito frouxo. Se não aprovar reforma, vai ser ruim, mas isso teria menos impacto do que a ruptura do teto."

A economista antecipou seu cenário de início de normalização da política monetária para maio --antes esperava no segundo semestre. Com os dados mais fracos do IPCA de janeiro e de varejo de dezembro divulgados nesta semana, Veronese não vê como provável elevação dos juros já na reunião do mês que vem.

A previsão da Azimut é que a Selic feche o ano em 3,5%, ante 3,25% da estimativa anterior.

(Por José de Castro)