Mercado fechará em 2 h 32 min
  • BOVESPA

    104.126,49
    -3.608,52 (-3,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.892,96
    -127,09 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,30
    +0,80 (+0,97%)
     
  • OURO

    1.790,20
    +8,30 (+0,47%)
     
  • BTC-USD

    61.184,93
    -2.190,72 (-3,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.454,93
    -48,11 (-3,20%)
     
  • S&P500

    4.535,49
    -14,29 (-0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.611,64
    +8,56 (+0,02%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    -159,75 (-1,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6497
    +0,0687 (+1,04%)
     

Apresentações de carros elétricos no Brasil tornam-se palco para falar de etanol tipo exportação

·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As montadoras têm se apressado em mostrar o potencial de seus carros elétricos, mas, a cada evento no Brasil, torna-se notório que essa tecnologia será apenas complementar pelo menos até o fim da década.

Sempre que se fala no assunto, o velho conhecido etanol é mencionado como a alternativa viável.

Foi assim nesta terça-feira (28), quando Peugeot e Volkswagen apresentaram veículos elétricos prontos para rodar no Brasil. A nova realidade ainda é para poucos, e o país não vai acompanhar o ritmo da Europa e de parte dos Estados Unidos quando o assunto é eletrificação. Na visão das fabricantes, o caminho é outro.

"Aqui temos um grande recurso que é o etanol, e estamos também, como o resto do mundo, dando passos rumo à eletrificação", disse Antonio Filosa, presidente do grupo Stellantis (que reúne marcas como Fiat, Jeep, Peugeot e Citroën) na América do Sul, durante o lançamento do compacto elétrico Peugeot e-208 GT.

O modelo custa R$ 245 mil, valor suficiente para comprar três unidades da versão Like 1.6 flex do mesmo carro (R$ 81 mil). É caro, mas está na mesma faixa de seus concorrentes diretos oferecidos no Brasil.

O preço dos carros que trocam o tanque por baterias também é um problema em nações que já estão mais avançadas no segmento, mas as questões no mercado nacional e em países da América do Sul, África e Ásia vão além disso.

Há problemas crônicos de fornecimento de energia e poucos pontos de recarga, além de não se falar em investimentos das matrizes para a produção local de carros que não queimam combustível. Entretanto, é aí que o atraso vira oportunidade de negócio.

Pablo Di Si, presidente da Volkswagen América do Sul, vê que a tecnologia flex pode virar "uma jabuticaba tipo exportação" e cita a Índia como exemplo de um futuro mercado.

"A Índia hoje é como o Brasil na década de 1970. A matriz energética deles é 70% a carvão, e são também o quarto maior importador de petróleo", diz Pablo. Neste cenário, carros capazes de rodar com etanol, que chegarão àquele mercado em 2023, serão uma evolução e tanto.

"Nós temos tudo para vender carros, motores e câmbios, fora o conhecimento sobre o etanol", afirma o executivo. "E ainda há África, a maior parte dos países são semelhantes ao Brasil, a cana-de-açúcar vai crescer facilmente."

A empolgação com as possibilidades do etanol foi manifestada durante a apresentação de dois carros 100% elétricos.

A Volkswagen exibiu nesta terça os modelos iD3 e iD4, que serão vendidos no Brasil possivelmente a partir de 2022. Na Europa, são vistos como o único caminho para a marca. Aqui, serão complementares na estratégia de descarbonização.

Pablo diz que o etanol já propicia uma redução de 80% das emissões quando considerado seu ciclo de produção ("do poço à roda") e o uso do carro.

A montadora terá também modelos com tecnologia híbrido flex, capazes de rodar com gasolina, álcool e eletricidade. A japonesa Toyota já oferece essa opção na linha Corolla e, assim como a concorrente alemã, está de olho no mercado indiano.

Segundo a Peugeot, o Brasil tem cerca de 700 pontos de recarga para veículos elétricos, com maior concentração nas capitais das regiões Sul e Sudeste.

O e-208 pode rodar aproximadamente 300 quilômetros em meio urbano e rodoviário até precisar de recarga, o que exige uma parada em uma viagem entre Rio de Janeiro e São Paulo. Há postos com tomadas no caminho, mas corredores do tipo ainda são uma exceção no país. Por isso é que o etanol é visto como a melhor alternativa para reduzir as emissões.

Um estudo feito pela Anfavea (associação das montadoras) em parceria com a consultoria BCG mostrou que o combustível de origem renovável é a alternativa mais realista para o Brasil. A projeção considera um aumento de 15 pontos percentuais no uso do etanol até 2035, seja o hidratado disponível nas bombas ou o anidro, que é misturado à gasolina. Isso permitiria reduzir em 12 milhões de toneladas de CO2 as emissões da frota circulante até 2035.

O ano de 2020 terminou com 3,1 milhões de veículos 100% elétricos vendidos no mundo e, segundo o portal de pesquisas Statista, 4,2% de todos os emplacamentos de veículos leves foram desse tipo.

A previsão é que, em 20 anos, metade dos automóveis vendidos no mundo não irá queimar nenhum tipo de combustível. A outra metade poderá ter os veículos flex e híbridos desenvolvidos no Brasil.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos