Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.778,90
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    31.938,50
    +604,33 (+1,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    750,13
    -44,19 (-5,56%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.878,87
    -5,26 (-0,02%)
     
  • NASDAQ

    14.284,00
    +25,75 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9189
    -0,0009 (-0,02%)
     

Apps usam brechas do iOS 14.5 para continuar coletando dados de usuários

·2 minuto de leitura

Liberado junto à atualização 14.5 do iOS, o sistema App Tracking Transparency surgiu como um alívio para usuários preocupados com sua privacidade. No entanto, relatos do Financial Times mostram que, para muitos desenvolvedores de aplicativos, não faz muita diferença prática se há o consentimento para a coleta de dados, que continua acontecendo.

Ao veículo, o consultor de marketing Eric Seufert explicou que muitos apps usam um método alternativo para continuar registrando hábitos dos consumidores ao detectar que a proteção foi ligada. Caso o consumidor não concorde em compartilhar seus dados ativamente, informações como seu endereço de IP continuam sendo usadas como base para registrar comportamentos e vender publicidade direcionada.

Imagem: Divulgação/Apple
Imagem: Divulgação/Apple

Conhecida como fingerprinting, a técnica é banida pela Apple, que determina que desenvolvedores “não podem derivar dados de um dispositivo com o objetivo único de identificá-lo”. Os defensores do método afirmam que a empresa não impõe regras que proíbem o uso de métodos probabilísticos, que agregam consumidores em grupos baseados em comportamentos registrados a partir de dados temporários.

Ao Financial Times, a Maçã afirmou que todos os aplicativos que falharem em respeitar as permissões dos consumidores vão ser rejeitados de seu sistema. Alex Austin, chefe executivo da plataforma de marketing mobile Branch, afirmou que brechas do tipo deixam claro que as restrições do iOS 14 estão mais próximas de uma estratégia de promoção do que uma iniciativa focada na privacidade.

Para Sean O’Brien, fundador do Yale Privacy Group, a Apple precisa descobrir de “maneira dura, assim como o Google descobriu no passado” que não pode realizar promessas de privacidade se não possui a estrutura necessária para que elas sejam efetivas. Já Seufert acredita que a WWDC 2021, que começa nesta segunda-feira (7) vai ser decisiva para o futuro da empresa nesse sentido, especialmente no que diz respeito às possíveis rejeições a apps enviados à sua loja nos meses próximos ao evento.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos