Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.784,15
    -904,92 (-1,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Apps de iPhone coletam dados mesmo sem permissão dos usuários

·3 minuto de leitura

Em abril, os donos de iPhone ganharam a opção de poder optar por não permitir que aplicativos monitorem suas atividades. Porém, alguns programas encontraram formas sorrateiras de continuar coletando dados.

Normalmente, os aplicativos disponíveis na App Store contam com um recurso chamado App Tracking (Monitoramento de Aplicativo, em tradução livre). Essa função faz com que a Apple forneça um identificador único para cada aparelho e, a partir disso, informações como que sites o usuário está acessando e com quais anúncios ele interage são enviados para a empresa, permitindo que ela venda essas informações para agências de publicidade.

Em abril deste ano, a Apple introduziu o App Tracking Transparency (Transparência do Monitoramento de Aplicativo, em tradução livre), agora permitindo que os usuários decidam se querem ou não que o App Tracking funcione naquele programa específico.

Segundo os termos de privacidade da Apple, se um usuário optou por não ativar o App Tracking em um aplicativo, nenhum outro método pode ser usado para a coleta de dados. Mesmo assim, alguns programas estão quebrando as regras da empresa da maça, usando essa estratégia de forma bem sorrateira.

Pesquisadores da empresa de software de privacidade Lockdown, em conjunto com o The Washington Post (TWP), descobriram que alguns apps estão coletando dados a partir de uma nova estratégia que faz uso de identificadores de páginas da internet, geralmente usados para garantir que os sites estão sendo mostrados corretamente em diferentes dispositivos.

Basicamente, quando acessamos um site por um computador e por um celular, podemos notar diferenças na sua exibição. Isso se dá por dados que vão sendo coletados durante o processo de conexão com as páginas, que são usados para otimizar a exibição do conteúdo para cada aparelho. Esses mesmos dados, chamados de identificadores, estão sendo usados sorrateiramente por aplicativos para coletar e transmitir informações dos aparelhos onde eles estão sendo executados.

Quebrando regras

Segundo a reportagem do TWP, essa nova estratégia foi detectada em 3 aplicativos populares do iPhone: Subway Surfers, Streamer Life! e Run Rich 3D. Durante o uso de qualquer um desses apps, eles estão constantemente enviando dados para a agência de anúncios Chartboost 29.

Informações como o endereço IP do celular, seu espaço de armazenamento disponível, o seu nível de volume atual e o seu nível de bateria estão sendo coletados por esses apps. Essas dados, segundo os pesquisadores, podem ser usados, em conjunto, para identificar o iPhone de usuários e direcionar campanhas publicitárias especificamente para esses aparelhos.

Para Johnny Lin, ex-engenheiro do iCloud, a falta de ação da Apple em relação a esse método de coleta de dados torna as novas regras de privacidade introduzidas pela empresa em abril inúteis, e, em alguns casos, até mesmo mentirosa, já que mesmo quando o usuário opta por não ser monitorado, informações podem estar sendo transmitidas para agências de publicidade sem seu conhecimento.

O Canaltech entrou em contato com a assessoria de imprensa da Apple no Brasil perguntando sobre a coleta de dados por aplicativos. Até a publicação desta matéria, porém, a empresa ainda não havia dado nenhum retorno.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos