Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.817,59
    +277,77 (+0,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.736,23
    +534,42 (+1,40%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,07
    -1,63 (-3,91%)
     
  • OURO

    1.928,00
    +12,60 (+0,66%)
     
  • BTC-USD

    12.766,71
    +1.709,70 (+15,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    255,83
    +10,94 (+4,47%)
     
  • S&P500

    3.448,03
    +4,91 (+0,14%)
     
  • DOW JONES

    28.292,02
    -16,77 (-0,06%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.639,46
    +72,42 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    11.734,00
    +73,25 (+0,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6497
    +0,0233 (+0,35%)
     

Apps de relacionamento fazem mal para a auto-estima?

Colaboradores Yahoo Vida e Estilo
·5 minutos de leitura
Finger of woman pushing heart icon on screen in mobile smartphone application. Online dating app, valentine's day concept.
Apps de relacionamento fazem mal para a auto-estima? Foto: Getty

Por Raphael Andrade

Você escolhe sua melhor foto para os apps, mas mesmo assim ninguém te dá trela e, quem responde, não diz coisas muito agradáveis. Ser capaz de se aventurar no mundo dos relacionamentos sem ter que sair do conforto do lar parece uma combinação feita nos céus, mas muitas vezes após uma sessão de curtidas e deslizes no Tinder, Happn, Bumble, Okcupid ou Grindr, o usuário pode se sentir deprimido, triste e com a autoestima lá no chão.

Em um mundo no qual a aparência parece ser mais importante do que qualquer outra coisa, se sentir desejado pode ser um enorme desafio.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

Entender como estes aplicativos funcionam pode ser um bom primeiro passo para não ser tão afetado por eventuais fracassos virtuais.

Leia também

O sociólogo Elio Pantoja, professor de sociologia da Universidade Federal do Maranhão, explica que apps em geral apenas espelham a lógica de mercado tão presente em diversas áreas da sociedade.

"Os aplicativos estão dentro de uma espécie de sistema de economia, e como em toda economia padrões são estabelecidos. A partir daí, as pessoas tentam se inserir dentro deste determinado padrão que é imposto externamente, e fazer parte disto é algo com apelo muito forte. Porém, não conseguir se enquadrar gera uma espécie de frustração e isso pode desencadear uma série de problemas que vão desde baixa autoestima até questões relacionadas à própria identidade da pessoa", explica ele.

Dating service, mobile application. A hand holding a smart phone. Love and relationships. Interracial couple / flat editable vector illustration, clip art
Dating service, mobile application. A hand holding a smart phone. Love and relationships. Interracial couple / flat editable vector illustration, clip art

Para Pantoja, a resposta para muitos matches que não dão em nada está na já conhecida quebra de expectativas, também conhecida como choque de realidade. "Quando você encontra uma pessoa que é o seu 'tipo ideal', você cria uma expectativa positiva do seu lado, mas é possível que isso não aconteça para a outra pessoa. A continuidade ou não do relacionamento está ligada a quebra das expectativas, que é quando a pessoa percebe que não irá tirar dali o que ela gostaria que aquela relação fosse. Neste momento, é muito mais fácil que a pessoa apenas desapareça sem dar satisfações", diz ele.

Achou o cenário muito complicado? Calma, veja abaixo algumas dicas de como não deixar que o uso de apps seja uma experiência ruim:

- Sempre mantenha a rejeição em perspectiva

Unrecognizable male using dating app on mobile phone
Sempre mantenha a rejeição em perspectiva. Foto: Getty

Imagine a situação: você está conversando com alguém legal, você está curtindo, mas, do nada, a pessoa toma um chá de sumiço. Lembre-se de não levar a situação para o lado pessoal, a frase "não é você, sou eu" cabe aqui e muitas vezes o motivo pode nem estar relacionado à você.

- Cuidado com a síndrome do príncipe encantado

São muitos os aplicativos para date online, e com tantas opções assim no mercado, as pessoas se tornam mais seletivas e podem começar a acreditar que o próximo pretendente será melhor do que o atual, o que diminui as chances de que ela aprofunde a interação com o crush atual.

- O que passou, passou

Pode ser que você use aplicativos há bastante tempo e nunca tenha encontrado ninguém interessante, ou que já tenha conversado com gente demais sem que nada tenha realmente ido pra frente. Independentemente, tente sempre encarar a coisa como se fosse a primeira vez e não trazer a carga negativa das experiências anteriores para as novas conversas. Isso pode fazer toda a diferença.

- O interessado é interessante

Sim, é difícil manter o nível de entusiasmo lá no alto depois de dezenas de "oi, tudo bem? de onde?", mas algo que todo usuário no mundo online procura é alguém que se mostre interessado em conhecê-lo, por isso, se você quer que alguém invista em você, é melhor fazer a sua parte.

- Variedade na conversa

Pretty woman is sitting at her laptop and chatting with handsome man with huge phone and emoji on the background. Dating app and virtual relationship. Chat bubble. Modern vector illustration.
Variedade na conversa. Imagem: Getty

O que nos traz o próximo ponto: talvez seja legal deixar um pouco de lado perguntas como "de onde?" e "faz o que da vida?". Além de incluir na sua descrição alguma informação que ajude o outro a te conhecer melhor, fazer perguntas mais "diferentonas" pode ser um caminho para chamar a atenção do usuário e quebrar o gelo. Desta forma, fica bem mais fácil manter uma conversa sem o perigo de cair naquele lugar de preguiça que é tão fácil chegar.

- Faça a lição de casa

Caso você não esteja tendo tantos matches, ou as conversas não andam evoluindo muito, será que não é porque tem algum problema em algo básico. Na hora de escolher sua foto de perfil, mais importante do que colocar uma imagem que você considere muito atraente, é colocar uma foto que mostre seu "verdadeiro eu", para que todo o interesse proveniente venha de um lugar realmente genuíno, e não na versão talvez fantasiosa da sua aparência. Sorrir também faz diferença: usuários que sorriem têm 14% mais chances de match por serem consideradas mais gentis e acessíveis, de acordo com dados divulgados por Jessica Carbino, socióloga in-house do Tinder. Além disso, nada de óculos escuros e chapéus: ambos os acessórios diminuem em 15% as chances de dar aquele match.

- Sou mais eu (versão 2020)

A última dica vem direto do sociólogo: "As pessoas precisam ser senhoras de si mesmo para se lançar no mundo e enfrentar as situações. Se alguém não consegue fortalecer sua própria identidade individual, dificilmente ela conseguirá ser bem sucedida em diversas frentes, como em relacionamentos por exemplo". Assim, confie no seu taco e parta para o abraço.

Enfim, a jornada pode não ser fácil, mas ela não precisa também deixar de ser leve. Aproveite ao máximos os contatos sem se deixar afetar tanto por experiências não muito positivas, já que elas ocorrem em abundância quando o assunto é romance online.