Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,38
    -0,08 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.764,30
    -2,50 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    63.253,05
    +319,67 (+0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.397,85
    +16,90 (+1,22%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    14.006,75
    -7,25 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7189
    -0,0022 (-0,03%)
     

Clubhouse e apps de áudio: a onda que varre o mundo

Marcus Couto
·3 minuto de leitura
Um celular sobre um chão de madeira. Na tela, o aplicativo Clubhouse.
Clubhouse. (Foto: AP Photo/Mark Schiefelbein)
  • Um mês após o pico da febre Clubhouse, rivais se movimentam para lançar funções semelhantes.

  • Facebook vai expandir funções do Messenger para incluir salas de bate-papo.

  • Twitter lançou Twitter Spaces para concorrer nesse mesmo espaço.

Pouco mais de um mês se passou desde o início da febre dos aplicativos de salas de áudio para smartphones, liderado pelo estreante Clubhouse – que tomou de assalto a cena do desenvolvimento mobile, atraindo a atenção de bilionários como Mark Zuckerberg e Elon Musk.

Leia também:

No Brasil não foi diferente

Aqui, a febre – como costuma acontecer com apps carregados de novidade – bateu com força. Na busca por convites do app, chegou-se a vendê-los por até R$ 250 em sites especializados e no Mercado Livre.

Ainda disponível apenas para o sistema operacional iOS, da Apple, o Clubhouse chegou a ser avaliado em US$ 100 milhões.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

O império contra-ataca

Mas agora, com o pico do “hype” esfriando, o que muda para o Clubhouse? Uma coisa é certa: o app, no ano passado por dois empreendedores, Paul Davison e Rohan Seth, abriu as porteiras para uma nova categoria de produto que já está sendo abraçada com velocidade pelos gigantes das redes sociais.

Mark Zuckerberg, um homem branco de terno e gravata.
Facebook testa seu próprio "Clubhouse" no Messenger. (Foto: AP)

Principalmente, é claro, o Facebook e o Twitter – que aparentemente entrou na onda de clonar funções de apps rivais (uma ironia, já que o Twitter foi alvo dessa prática no passado, quando o Facebook copiou sua linha do tempo de notícias e atualizações em tempo real).

As duas empresas estão desenvolvendo suas próprias funcionalidades exatamente como as do Clubhouse.

No caso do Facebook, segundo o New York Times, a empresa está expandindo as salas de conversa do Messenger, app de mensagens instantâneas da plataforma, para incluir a possibilidade de criar salas de áudio.

Ao jornal, a empresa chamou o projeto de “iniciativa de exploração” no campo do áudio.

Em essência, pelo revelado nas imagens, trata-se de um clone do Clubhouse dentro do Messenger.

O Twitter foi mais rápido, e já testava desde o ano passado o Spaces, que agora está disponível até para Android (plataforma em que o Clubhouse ainda não chegou).

Até o Telegram entrou na onda.

Jack Dorsey: um homem branco de barba longa e cinza e cabelo raspado.
Jack Dorsey: Twitter Spaces já está no ar. (Foto: House Energy and Commerce Committee via AP)

Clones de nicho

Na paralela, startups menores também correm para abocanhar uma fatia desse mercado.

Um exemplo é o Quilt, que se baseia no mesmo sistema de conversas por áudio em tempo real entre usuários. Mas a diferença é o tema das discussões: focado em desenvolvimento pessoal, propósito, carreira e bem-estar. O app já conseguiu financiamento inicial de US$ 3,5 milhões.

É sobre avançando da tecnologia

Mas, no fim, por que isso está acontecendo agora?

Com o desenvolvimento da tecnologia e dos smartphones, os aparelhos estão cada vez mais robustos, e aplicações de redes sociais capazes de acumular mais funções que demandam mais de seus processadores e – principalmente – de suas conexões a internet. Anos atrás, texto era a única garantia de uma experiência consistente de comunicação ao vivo. Agora, com o aumento da banda e da capacidade dos celulares, streams de áudio e vídeo começam a ganhar o palco principal da experiência mobile.

Qual será a próxima fronteira?

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube