Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -28,80 (-1,60%)
     
  • BTC-USD

    48.658,52
    +151,24 (+0,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    971,53
    -23,13 (-2,33%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.788,00
    -514,00 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7372
    +0,1667 (+2,54%)
     

Apps de comida podem ter que contratar entregadores na Espanha

Alonso Soto
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O governo da Espanha prepara mudanças nas leis trabalhistas que poderiam obrigar plataformas de entrega de comida a contratarem entregadores com carteira assinada.

De acordo com a proposta a ser apresentada nesta semana, empresas como Uber Eats, Deliveroo e Glovo podem ter que oferecer salários fixos, pagar impostos de seguridade social e benefícios de desemprego para 30 mil entregadores de plataformas que trabalham na quarta maior economia da zona do euro, disse um porta-voz do Ministério do Trabalho na terça-feira.

Ainda não foi decidido se a proposta seria enviada ao Congresso para aprovação ou se seria emitida por meio de um decreto executivo, o que significa que pode levar vários meses para entrar em vigor se não houver oposição.

“Este regulamento resolve o debate jurídico sobre se esses trabalhadores são autônomos ou não, porque presume a dependência do trabalho”, disse María Luz Rodríguez, professora de direito da Universidade de Castela-Mancha e ex-vice-ministra do Trabalho, que analisou uma minuta do regulamento.

A ministra do Trabalho da Espanha, Yolanda Díaz, disse em dezembro que o novo marco irá codificar a decisão do Supremo Tribunal no ano passado, segundo a qual a Glovo tem vínculos trabalhistas com os entregadores e não era apenas uma intermediária.

A mudança será acompanhada de perto por outros países sobre como parlamentares respondem ao poder crescente dos aplicativos de entrega e à sua responsabilidade pelos funcionários. Uma disputa sobre o mesmo tema chegou à Suprema Corte da Califórnia, e a Comissão Europeia deve publicar recomendações para a legislação na UE no final deste mês.

“As plataformas de entrega estão preocupadas com o futuro do setor e com o efeito que o trabalho forçado pode ter sobre entregadores, que expressaram claramente sua rejeição a isso”, segundo comunicado de uma associação de plataformas que inclui Deliveroo, Glovo e Uber Eats.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.