Mercado abrirá em 8 h 13 min
  • BOVESPA

    109.401,41
    -2.522,52 (-2,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.799,46
    -434,91 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,57
    +0,64 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.785,60
    +4,30 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    17.038,84
    -177,01 (-1,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    402,84
    -8,37 (-2,04%)
     
  • S&P500

    3.998,84
    -72,86 (-1,79%)
     
  • DOW JONES

    33.947,10
    -482,78 (-1,40%)
     
  • FTSE

    7.567,54
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.295,18
    -223,11 (-1,14%)
     
  • NIKKEI

    27.902,11
    +81,71 (+0,29%)
     
  • NASDAQ

    11.818,25
    +12,50 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5356
    +0,0022 (+0,04%)
     

Apple Watch Ultra é desmontado e mostra grande bateria e mais melhorias

Mais nova aposta da gigante para esportistas extremos, o Apple Watch Ultra acaba de ser submetido ao desmanche do iFixit, equipe de especialistas em conserto de dispositivos. O relógio mostra melhorias bem-vindas em aspectos como a bateria e a construção e, apesar de não sobreviver ao processo por ainda contar com alguns empecilhos, indica um futuro mais amigável a usuários que precisarem realizar consertos.

Antes de começar a desmontar o acessório, o iFixit exibe uma captura em Raio X para apresentar uma noção inicial do interior do dispositivo. Um dos pontos que mais chama atenção é a região das antenas, que indica melhorias no GPS — ponto criticado em gerações passadas —, assim como uma construção muito densa, obrigando a equipe a desmontar o aparelho para saber mais.

O canal avalia então a sirene de emergência, um dos recursos mais destacados pela Apple, que seria capaz de emitir um alarme de 86 dB de intensidade para solicitar ajuda em um raio acima de 500 metros. Na prática, a funcionalidade não empolgou e se mostrou decepcionante por apresentar um volume bem abaixo das expectativas, ao menos nos testes em ambiente fechado.

Pelo formato complexo e recessão do painel, a remoção da tela do Apple Watch Ultra é extremamente complicada e pode levar à morte do display, como ocorreu com o iFixit (Imagem: iFixit/YouTube )
Pelo formato complexo e recessão do painel, a remoção da tela do Apple Watch Ultra é extremamente complicada e pode levar à morte do display, como ocorreu com o iFixit (Imagem: iFixit/YouTube )

Prometendo maior facilidade no conserto, o Apple Watch Ultra é o primeiro smartwatch da gigante de Cupertino a contar com parafusos na traseira. Ao removê-la, o primeiro aspecto notável é uma espécie de borracha dedicada a manter os componentes internos protegidos de líquidos. A má notícia é que, no processo, o componente perde o selamento, o que sugere que no caso de substituições é importante tomar cuidado para que a reposição seja feita corretamente.

Após remover mais duas placas de metal, a equipe do iFixit confirma que não é possível acessar a bateria pela traseira, sendo necessário iniciar o desmanche pela tela — um processo arriscado para o display. Outro ponto curioso explicado pelos profissionais é que o formato elevado da região do painel nada colabora para a proteção do vidro, já que o verdadeiro ponto fraco seria os impactos laterais.

Na realidade, o formato dificulta a remoção do display, que acaba sendo danificado na tentativa do canal. O conector encontra-se abaixo da bateria e, para poder retirar o processador e outros componentes, é necessário desprender 32 parafusos. Com o relógio desmontado, o iFixit realiza então uma comparação com o Apple Watch Series 8, também anunciado durante o Apple Event deste mês, encontrando algumas diferenças interessantes.

A primeira delas é a bateria significativamente maior, de 2,1 Wh contra 1,19 Wh do modelo padrão, representando quase o dobro da capacidade. Além disso, ainda que a sirene tenha decepcionado os especialistas, os speakers utilizados no modelo extremo são notavelmente mais poderosos e devem ao menos proporcionar uma experiência de uso cotidiano superior. A carcaça de titânio é outro ponto destacado, pela qualidade e precisão nos recortes para botões e antenas.

Apesar de não ter sobrevivido ao desmanche graças às dificuldades de se remover a tela, o Apple Watch Ultra simboliza um começo importante para maior reparabilidade por permitir, assim como o iPhone 14, o acesso à região interna dos dois lados — a equipe do iFixit espera que isso seja um sinal para que futuras gerações dos relógios da Maçã sigam implementando melhorias para tornar o conserto cada vez mais fácil.

Apple Watch Ultra mira em esportes extremos

Com corpo em titânio, vidro de safira e múltiplas certificações de resistência a impactos e mergulhos de até 100 metros de profundidade, o Apple Watch Ultra é a tentativa da gigante de Cupertino de atrair o público que procura por acessórios mais encorpados para praticar esportes como escalada, triatlos e outras provas de resistência. A novidade embarca os recursos do Apple Watch Series 8, enquanto adiciona maior bateria, botão customizável extra, pulseiras especiais e áudio aprimorado.

O dispositivo mostrou ser extremamente robusto em outro teste realizado nesta semana, ao sobreviver a uma dezena de marretadas sem sofrer danos visíveis na construção e ainda quebrar a mesa em que estava apoiado. No entanto, a novidade não é perfeita — a energia dos golpes causou problemas nos componentes internos, levando à morte do smartwatch. O Apple Watch Ultra ainda não possui data para chegar ao Brasil, mas será vendido a partir de R$ 10.299.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: