Mercado abrirá em 3 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    110.580,79
    +234,97 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,53
    +1,76 (+1,60%)
     
  • OURO

    1.856,80
    -8,60 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    29.800,34
    +529,89 (+1,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    663,19
    +7,36 (+1,12%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.517,06
    +32,71 (+0,44%)
     
  • HANG SENG

    20.171,27
    +59,17 (+0,29%)
     
  • NIKKEI

    26.677,80
    -70,34 (-0,26%)
     
  • NASDAQ

    11.773,00
    +2,00 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1548
    -0,0174 (-0,34%)
     

Apple vai indenizar cliente por “venda casada” de carregador do iPhone

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A Apple foi condenada a indenizar uma consumidora de Goiânia em R$ 5 mil por vender um modelo de iPhone e o carregador separadamente. Segundo a decisão do 6º Juizado Cível de Goiânia, a marca realizou uma “venda casada”, prática abusiva proibida no Brasil.

Conforme o juiz Vanderlei Caires Pinheiro, a venda separada de um acessório essencial para o funcionamento do produto é vista como uma “venda casada”. A prática força o consumidor a adquirir um item de fabricação exclusiva para ter a experiência completa do produto.

“Trata-se a venda casada por dissimulação ou ‘às avessas’, de prática comercial abusiva e ilegal, atentando contra o disposto no Código de Defesa do Consumidor. O CDC visa proteger a parte mais fraca da relação contratual, assegurando-a contra práticas e cláusulas abusivas no fornecimento de produtos e serviços”, destaca o texto da decisão.

Em 2020, a Apple decidiu não enviar carregadores na caixa dos produtos para reduzir os impactos ambientais (Imagem: Victor Carvalho/Canaltech)
Em 2020, a Apple decidiu não enviar carregadores na caixa dos produtos para reduzir os impactos ambientais (Imagem: Victor Carvalho/Canaltech)

Defesa da Apple

Em 2020, a Apple anunciou a contraditória decisão de não enviar carregadores na caixa dos iPhones. Segundo a fabricante, a ação tem o objetivo de diminuir os impactos ambientais provocados pela fabricação dos acessórios.

Na defesa do recente caso, a marca alegou que a venda separada do item havia sido previamente informada aos consumidores. Para mais, a empresa citou que fornece um cabo de recarga compatível com portas de computadores e que a saída USB-C não é um formato exclusivo dos acessórios fabricados por ela.

Do outro lado, o juiz não aceitou os argumentos da Maçã e destacou que uma das pontas do carregador do iPhone tem um formato diferenciado (Lightning). Então, isso impossibilita o uso de qualquer outra entrada USB para o carregamento do dispositivo.

Diante disso, o julgador ordenou que a Apple pague uma indenização à consumidora no valor de R$ 5 mil a “título de danos morais”.

Antigas multas da Apple no Brasil

Essa não é a primeira vez que a Apple é obrigada a pagar multas ou indenizações para consumidores no Brasil. Em 2021, o Procon-SP multou a empresa norte-americana em RS 10 milhões por não fornecer o carregador na caixa dos produtos e violar a lei do consumidor.

Na época, a fabricante alegou que muitos clientes tinham antigos carregadores em casa e, mais uma vez, citou os benefícios ambientais de não enviar o acessório. Conforme a Maçã, a medida equivale a remover quase 450 mil carros das ruas por ano.

Em janeiro de 2022, a Apple e a Samsung foram multadas pelo Procon Fortaleza também pela venda de celulares sem carregadores. As empresas receberam foram obrigadas a pagar multas de R$ 10.372.500 e R$ 15.558.750, respectivamente.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos