Mercado abrirá em 8 h 4 min

Apple usará telas mini-LED no iPad e no MacBook em 2021, crava analista

Rubens Eishima
·2 minutos de leitura

O barateamento das telas mini-LED deve atingir um patamar suficiente para que a tecnologia comece a chegar ao mercado. Segundo o analista Ming-Chi Kuo, a Apple deve adotar o padrão de telas já no ano que vem, com novas gerações das linhas iPad e MacBook.

Segundo o analista especializado na empresa da maçã, a Apple já teria certificado a fabricante taiwanesa Epistar para fornecer o componente e avalia uma segunda fornecedora, a chinesa Sanan Optoelectronics. O uso de dois fornecedores ajuda a diminuir riscos de distribuição, além de baratear o componente a médio prazo.

A concorrência entre os fabricantes que desenvolvem telas mini-LED deve levar a uma redução no custo do item, estimado atualmente em até US$ 85 (cerca de R$ 460), para cerca de US$ 45 (R$ 245).

Outro fator que deve contribuir para a redução do preço da peça é a tendência de demanda crescente na China, o que pode favorecer a Sanan — que Kuo estimou fornecer entre 20 e 30% do componente à Apple em 2021 e 45~55% em 2022.

Analista prevê que nova geração da família MacBook deve trazer as novas telas mini-LED (imagem: Howard Bouchevereau/Unsplash)
Analista prevê que nova geração da família MacBook deve trazer as novas telas mini-LED (imagem: Howard Bouchevereau/Unsplash)

Mini-LED? Micro-LED? OLED?

As telas de mini-LED são uma evolução da tecnologia das atuais telas de LED — que são painéis de LCD com retro iluminação por diodos. O novo painel já é encontrado em alguns monitores e televisores, que utilizam LEDs menores e em maior quantidade para aprimorar o controle do nível de brilho na tela.

O resultado é um contraste superior aos dos monitores e TVs LEDs tradicionais, chegando próximo das imagens produzidas por telas OLED, que usam pixels que se auto iluminam e se apagam completamente para “mostrar” a cor preta.

É importante não confundir as telas mini-LED com outra tecnologia de nome semelhante, a micro-LED. Neste caso, no lugar da tela de LCD, os próprios LEDs formam os pontos de imagem e luz individuais, resultando em um nível de contraste equivalente ao das telas OLED, além de resultar em telas potencialmente mais finas (já que dispensam a fileira de LEDs atrás do painel para retro iluminação).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: