Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    106,39
    +0,63 (+0,60%)
     
  • OURO

    1.805,60
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    20.393,95
    +379,97 (+1,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    436,36
    +4,89 (+1,13%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.176,64
    -216,40 (-0,82%)
     
  • NASDAQ

    11.497,00
    -32,50 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4973
    -0,0083 (-0,15%)
     

Apple trabalha no chip M2 Max com até 38 núcleos de GPU para equipar MacBook Pro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Um ano e meio após o lançamento do Apple M1, primeiro chip proprietário da Apple focado em computadores, a Gigante de Cupertino apresentou o M2 abrindo caminho para a nova geração dos poderosos, eficientes e compactos processadores da empresa. E possíveis detalhes sobre o M2 Max já foram comentados, mesmo que ainda faltem meses para o anúncio oficial.

No artigo que descreveu o desenvolvimento de novos MacBook Air de 15 polegadas e um modelo compacto com tela de 12 polegadas, o jornalista Mark Gurman do Bloomberg cita que o chip M2 Max irá equipar as versões mais poderosas dos novos MacBook Pro, oferecendo até 12 núcleos de CPU e até 38 núcleos de GPU.

Sucessores do M1 Pro e M1 Max devem utilizar litografia de 3 nanômetros para salto de desempenho e eficiência (Imagem: Reprodução/Apple)
Sucessores do M1 Pro e M1 Max devem utilizar litografia de 3 nanômetros para salto de desempenho e eficiência (Imagem: Reprodução/Apple)

O salto é modesto em relação à configuração máxima de 10 núcleos de CPU e 32 núcleos de GPU presente no M1 Max do MacBook Pro de 16 polegadas. Porém, a fabricação de 3 nanômetros deve resultar em avanços significativos quando comparada com a dos atuais chips de 5 nanômetros.

Tal mudança permitirá que mais transistores sejam condensados em um espaço menor, diminuindo o espaço entre circuitos e, como consequência, oferecendo maior velocidade, desempenho superior e menor consumo de energia.

Foco dos próximos modelos da linha MacBook Pro deve ser em melhorias internas (Imagem: Reprodução/Apple)
Foco dos próximos modelos da linha MacBook Pro deve ser em melhorias internas (Imagem: Reprodução/Apple)

Não foram compartilhados detalhes sobre as especificações base do processador — cuja versão do M1 Max está presente apenas no Mac Studio e conta com 10 núcleos de CPU e 24 núcleos de GPU —, e nem mesmo foram comentadas informações sobre o chip M2 Pro, processador que também pode equipar o Mac Mini e iPad Pro.

Como foi reportado há meses, a Apple já desenvolve os processadores da linha M3 com lançamento para os próximos anos, mirando a chegada do futuro iMac Pro e produtos ainda mais potentes.

Dependendo dos planos da Apple, o anúncio dos novos MacBook Pro e dos chips M2 Pro e M2 Max deve acontecer entre o fim de 2022 e início de 2023.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos