Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    106,11
    +0,35 (+0,33%)
     
  • OURO

    1.807,10
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    18.780,37
    -1.520,96 (-7,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,82
    -26,65 (-6,18%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.393,04
    -411,56 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    11.494,00
    -35,50 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5056
    +0,0950 (+1,76%)
     

Apple terá que explicar risco em Airpods ao Ministério da Justiça

Multinacional tem um prazo de 72 horas para responder ao governo. (Beck Diefenbach/Reuters)
Multinacional tem um prazo de 72 horas para responder ao governo. (Beck Diefenbach/Reuters)
  • Fones teriam causado danos auditivos em um garoto de 12 anos nos EUA;

  • Apple tem 3 dias para esclarecer como o fone é feito;

  • Até o momento, a Apple não se pronunciou sobre o assunto.

A Apple foi notificada pela Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor (Senacon) do Ministério da Justiça e vai ter que explicar possíveis riscos no uso dos fones de ouvido da empresa. Os Airpods teriam causado danos auditivos em um garoto de 12 anos nos Estados Unidos.

A multinacional tem um prazo de 72 horas para responder ao governo, contando a partir desta segunda-feira (30). O ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, disse que a secretaria investiga o possível defeito, que poderia trazer risco, também, aos consumidores brasileiros.

"A intenção é que a empresa aja com transparência e colabore com as autoridades nacionais e internacionais para esclarecimento imediato do caso", disse.

O caso citado pelo ministro é o de um casal norte-americano que processou a Apple e acusou a empresa de ser a responsável por danos auditivos no filho deles. O motivo seria que o som emitido pelo dispositivo seria sempre mais alto que o volume anunciado pela empresa.

De acordo com o processo, em um dado momento, um som de alerta emitido pelo aparelho, muito mais alto que o normal, teria provocado perda de audição permanente na criança.

A Senacon deu três dias para a empresa se explicar por entender que faltou clareza sobre os riscos do aparelho na hora da comercialização. Segundo o Código de Defesa do Consumidor, a multinacional não poderia comercializar, no Brasil, produtos nocivos para a saúde dos usuários.

A Apple deverá esclarecer os riscos de uso do equipamento, a forma correta de usá-lo, a qualidade, a segurança e dizer como ele é fabricado.

De acordo com a secretaria, o consumidor que desconfiar de defeitos nos produtos desta e de outras empresas podem se manifestar no site Consumidor.gov.br. Até o momento, a Apple não se pronunciou sobre o assunto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos