Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,72
    +0,01 (+0,01%)
     
  • OURO

    1.633,70
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.167,90
    +347,82 (+1,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,96
    +5,86 (+1,35%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.343,75
    +27,50 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1666
    -0,0128 (-0,25%)
     

Apple quer passar 25% de sua produção de iPhones para a Índia até 2025

Apple quer reduzir sua dependência de fábricas chinesas e aumentar sua produção na Índia e no Vietnã
Apple quer reduzir sua dependência de fábricas chinesas e aumentar sua produção na Índia e no Vietnã
  • Empresa também espera que Vietnã produza 20% dos iPads até 2025;

  • Informações foram detalhadas em um relatório do banco JPMorgan para seus clientes;

  • Apple quer reduzir sua dependência de instalações chinesas.

Já há alguns anos a Apple quer reduzir sua dependência da China, local onde são fabricados a maior parte de seus produtos até hoje. Para isso, ela vem realizando uma mudança gradual para manufaturas em países vizinhos, como Índia e Vietnã, que possuem um boa capacidade industrial.

No entanto, agora a gigante americana está se preparando para tornar as duas nações centros globais de fabricação, afirmaram analistas do JP Morgan em um novo relatório enviado aos seus clientes, que afirmou que a Apple transforma 5% da produção global do iPhone 14 para a Índia até o final de 2022 e expandirá sua capacidade de fabricação no país para produzir 25% de todos os iPhones até 2025.

Já o Vietnã, diz o documento, irá contribuir com 20% de todas as produções do iPad e Apple Watch, 5% do MacBook e 65% dos AirPods até 2025, disse o relatório obtido pelo portal TechCrunch.

Hoje a Índia já é um grande centro de produção de celulares, com as grandes rivais da Apple, como a Samsung e Xiaomi, montando grandes fábricas no país. Outras empresas da região, como Oppo, Vivo e OnePlus também têm instalações no país. O Google também anunciou que seus planos de transferir parte da produção de smartphones Pixel para a Índia.

Nos últimos anos o país do sul-asiático atraiu investimentos da Foxconn e Winstron, ainda assim, atualmente a Foxconn tem cerca de 20 mil operadores em sua linha de montagem de iPhones na Índia, em comparação com 350 mil na China.

No curto prazo, aponta o relatório, China e Taiwan continuarão a ganhar participação de mercado devido a melhores estruturas de custos.

“Os fornecedores de eletrônicos de Taiwan, especialmente Pegatron e Wistron, são mais seletivos e priorizam a lucratividade enquanto se concentram em novas áreas, como EVs e servidores. Hon Hai continua sendo o principal parceiro de EMS para iPhones e deve se beneficiar da mudança para a Índia”, disse o relatório.

“A participação da produção baseada na China continental deve oscilar para fornecedores locais, enquanto o EMS taiwanês mantém uma vantagem na Índia. No Vietnã, esperamos que a participação seja dividida entre o EMS taiwanês e o chinês continental.”