Mercado abrirá em 1 h 45 min
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,64
    +1,15 (+1,63%)
     
  • OURO

    1.775,00
    -3,20 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    42.116,69
    -1.230,09 (-2,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.050,58
    -13,27 (-1,25%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    7.061,67
    +80,69 (+1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.068,75
    +44,75 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1799
    +0,0008 (+0,01%)
     

Apple proíbe personalização de produtos com expressões políticas na Ásia

·3 minuto de leitura

No ato de compra de um produto da Apple — como iPhones, iPads, Airpods ou Apple Pencil, entre outros — a marca traz uma opção em que o usuário escolhe uma palavra, frase ou símbolo para tornar o dispositivo único e original. Essa personalização é utilizada por muias pessoas que desejam colocar um contato em caso de perda do produto, escrever uma dedicatória para presente, evitar a confusão com aparelhos idênticos ou mesmo abaixar o risco de roubo, já que iPhones personalizados costumam ter menor preço de revenda e gerar menos atenção de ladrões.

Porém, existe uma certa limitação relacionada ao conteúdo a ser escrito no dispotitivo: a Apple já costuma fazer um filtro contra palavras e expressões com caráter racista, vulgar ou outras violações de propriedade intelectual. Porém, de acordo com um artigo divulgado pelo CitizenLab, existem restrições adicionais em locais como a China, Hong Kong e Taiwan.

Proibições geram controvérsias

Entre as palavras censuradas na China, estão 政治 (política), 抵制 (resistir), 民主潮 (onda da democracia) e 人权 (direitos humanos). Nas AirTags, em que somente é possível gravar quatro caracteres, não é possível escrever a sequência 8964, uma referência conhecida do Massacre do 4 de Junho de 1989 (ou como consta no calendário local, 89-6-4), quando estudantes insatisfeitos com o governo foram protestar na Praça da Paz Celestial e acabaram sofrendo uma repressão violenta.

É possível personalizar as AirTags com qualquer número, menos 8964. (Imagem: Reprodução/CitizenLab)
É possível personalizar as AirTags com qualquer número, menos 8964. (Imagem: Reprodução/CitizenLab)

Em Hong Kong, as proibições incluem 雙普選 (sufrágio universal duplo, ou seja, voto universal para autoridades de cidades e também chefe de Estado), 雨伞革命 (Revolução dos Guarda-chuvas, em referência a protestos realizados em 2014), e 新聞自由 (liberdade de imprensa). Hong Kong é uma região administrativa da China com um certo caráter de independência e bandeira própria mas não possui autonomia completa, o que causa conflitos com parte de sua população.

Já em Taiwan, não é possível gravar carateres com referências a membros do Partido Comunista Chinês, como 孫春蘭 (Sun Chulan, vice-primeira-ministra da China) ou que fazem alusão a outros movimentos, como 法輪功 (Falun Gong, prática espiritual banida desde 1999). Ao contrário de Hong Kong, Taiwan é uma nação independente reconhecida pela comunidade global, mas não pelo governo chinês.

Segundo o CitizenLab, a censura da Apple tem como objetivo preservar a presença da marca na China, onde a gigante tem um quinto de suas receitas totais. A relação com o país está abalada após a recente divulgação de um sistema que checa o conteúdo dos iPhones para evitar o compartilhamento de fotos e vídeos de abuso sexual de crianças. Segundo críticos, o sistema pode se expandir e identificar outros conteúdos particulares e sensíveis por lá, como dissidências políticas.

Outras restrições também são aplicadas em países de todo o mundo (Imagem: CItizenLab)
Outras restrições também são aplicadas em países de todo o mundo (Imagem: CItizenLab)

Em resposta, a Apple diz que faz tais censuras em respeito às leis locais em vigência, e que a lista de palavras proibidas é distinta em cada país. No total, já foram registradas mais de 972 ocorrências de filtragem de personalizações de caráter político e social na China, 512 em Hong Kong e 367 em Taiwan.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos