Mercado abrirá em 7 h 50 min
  • BOVESPA

    106.419,53
    -2.295,02 (-2,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.206,59
    +372,79 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,04
    -0,61 (-0,72%)
     
  • OURO

    1.790,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    60.737,14
    -1.970,49 (-3,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.477,68
    -27,47 (-1,83%)
     
  • S&P500

    4.574,79
    +8,31 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    35.756,88
    +15,73 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.277,62
    +54,80 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    25.645,51
    -392,76 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    28.921,99
    -184,02 (-0,63%)
     
  • NASDAQ

    15.537,75
    -7,25 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4582
    +0,0041 (+0,06%)
     

Apple pode ter neutralização de carbono comprometida pela fornecedora TMSC

·3 minuto de leitura

Em julho de 2020, a Apple anunciou que pretendia neutralizar toda a emissão de carbono de seus produtos e da cadeia de fornecimento até 2030. A empresa já teria alcançado isso nas operações corporativas em âmbito global, e promete zerar o impacto de todos os aparelhos produzidos até a próxima década.

Dentre as ações adotadas para alcançar o objetivo sustentável proposto pela Maçã estão a estrutura de baixo carbono, expansão da eficiência energética, desenvolvimento da matriz de energias renováveis, inovações em processos e materiais e extração de carbono.

O plano foi anunciado como um incentivo para que outras companhias adotem ações similares para diminuir efetivamente seus impactos ambientais. "As empresas têm a oportunidade de ajudar a construir um futuro mais sustentável, a partir da nossa preocupação comum com o planeta que compartilhamos", disse Tim Cook, CEO da Apple.

Apesar de os esforços da gigante para reduzir sua pegada ecológica em 75% até o ano de 2030, o plano provavelmente terá seu tempo estendido, e o maior obstáculo será a falta de chips no mercado. Nesta terça-feira (21), o site chinês CNBeta informou que a taiwanesa TSMC, a maior fabricante de semicondutores do mundo, possui planos bem menos ambiciosos em comparação com a parceira americana e pretende concretizar seu plano de zero emissões somente em 2050.

Os relatórios da Greenpeace indicam que a TSMC usa quase 5% da energia elétrica de Taiwan, um número que poderia aumentar para 7,2% em 2022. A empresa também depende de uma grande quantidade de recursos hídricos, tendo consumindo cerca de 63 milhões de toneladas de água em 2019, período em que Taiwan estava passando pela sua pior seca em 50 anos.

Imagem: Divulgação/TSMC
Imagem: Divulgação/TSMC

Com a indústria de tecnologia pressionada por uma escassez global de chips, os fabricantes se veem obrigados a aumentar a fabricação, tornando mais difícil ainda garantir uma cadeia de produção sustentável em um curto período de tempo. O propósito de reduzir as emissões de carbono da gigante taiwanesa começou no ano passado e foi marcado com o fechamento de um acordo com a Ørsted, empresa dinamarquesa de energia que está construindo um parque eólico internacional de 920 megawatts no Estreito de Taiwan. O acordo garantirá 20 anos de fornecimento de energia limpa.

“A TSMC está profundamente ciente de que as mudanças climáticas têm um impacto severo no meio ambiente e na humanidade. Como líder mundial de semicondutores, a TSMC deve assumir sua responsabilidade para enfrentar esse desafio”, disse o presidente do conselho de administração da empresa, Mark Liu, em comunicado.

A fabricante de chips pretende seguir os passos propostos pelo governo de Taiwan. A presidente Tsai disse em abril deste ano que as autoridades começaram a avaliar formas de alcançar a zero emissão de carbono até 2050, em resposta a instituições ambientais que criticaram o governo por não adotarem estratégias para combater as mudanças climáticas.

Considerando que a TSMC é a única fornecedora de chips dos principais dispositivos da Apple, é possível que os planos da marca em direção a sustentabilidade sejam afetados. Além disso, a falta de componentes deverá afetar o preço dos dispositivos nos próximos anos, mas a proporção do aumento ainda é desconhecida.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos