Mercado abrirá em 6 h 7 min
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,26
    +2,08 (+3,14%)
     
  • OURO

    1.782,30
    +5,80 (+0,33%)
     
  • BTC-USD

    57.076,77
    -169,32 (-0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.469,08
    +26,30 (+1,82%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.059,45
    -50,50 (-0,71%)
     
  • HANG SENG

    23.749,07
    +273,81 (+1,17%)
     
  • NIKKEI

    27.953,40
    +131,64 (+0,47%)
     
  • NASDAQ

    16.366,00
    +215,50 (+1,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3929
    +0,0229 (+0,36%)
     

Apple pode estar preparando versão monstruosa do M1 para novo Mac Pro

·3 min de leitura

A Apple realizou nesta segunda-feira (18) evento em que apresentou a aguardada nova geração do MacBook Pro de 16 polegadas, junto a um inédito modelo de 14 polegadas. Além de corrigir múltiplos pontos criticados nos últimos lançamentos, eliminando a Touch Bar e trazendo de volta portas dedicadas para cartões SD e HDMI, a gigante de Cupertino agitou a indústria com o anúncio de novos modelos de Apple Silicon.

O M1 Pro e o M1 Max escalam o desempenho já bastante impressionante do M1 original a um novo patamar, atacando diretamente algumas das soluções mais poderosas de Intel, AMD e Nvidia para o mercado de notebooks. No entanto, a companhia pode ter mais algumas surpresas guardadas, no preparo para concluir a transição da família Mac para o Apple Silicon.

Apple prepara chip 4 vezes maior que o M1 Max

Segundo o analista Mark Gurman, que tem um bom histórico de acertos a respeito de novos lançamentos da Apple, a fabricante está preparando uma versão monstruosa do M1 para a próxima geração do Mac Pro, desktop da empresa dedicado a profissionais. A solução contaria com duas variantes — uma com duas vezes mais núcleos de CPU e GPU que o M1 Max, e outra com quatro vezes mais núcleos que o recém-lançado chip topo de linha.

Na prática, isso indica que a versão mais simples entregaria 20 núcleos de CPU e 64 núcleos de GPU, enquanto a variante mais completa ofereceria impressionantes 40 núcleos de CPU e 128 núcleos de GPU. Quando consideramos as promessas da Apple para o M1 Max, que concorreria com alguns dos laptops mais poderosos do mercado consumindo quase a metade da energia, esses números se tornam ainda mais surreais.

Por estar constantemente na tomada, e ter mais espaço para dissipação de calor, o Mac Pro não teria as mesmas limitações térmicas e energéticas que os MacBooks Pro têm. Juntando a isso um chip significativamente maior, mas com a mesma eficiência, a suposta nova versão do M1 poderia entregar desempenho suficiente para substituir os Intel Xeon utilizados nas versões atuais do computador.

Gurman não chega a indicar um prazo para que o M1 turbinado seja lançado, mas considerando o plano de transição da Apple, previsto para durar dois anos, a novidade deve ser oficializado no máximo até o final de 2022.

M1 Max já impressiona com desempenho de laptop gamer

Ainda exclusivo dos novos modelos de MacBook Pro, o Apple M1 Max foi anunciado com CPU de 10 núcleos, sendo 8 de alto de desempenho e 2 de baixo consumo, acompanhados de uma GPU de até 32 núcleos, e até 64 GB de RAM LPDDR5 com largura de banda de 400 GB/s. Na prática, a Apple promete desempenho equivalente a um laptop gamer de alto desempenho, mas consumindo bem menos energia.

Maior chip já desenvolvido pela Apple, o M1 Max promete entregar desempenho equivalente a um laptop gamer de alto desempenho, mas consumindo muito menos energia (Imagem: Divulgação/Apple)
Maior chip já desenvolvido pela Apple, o M1 Max promete entregar desempenho equivalente a um laptop gamer de alto desempenho, mas consumindo muito menos energia (Imagem: Divulgação/Apple)

A empresa comparou a versão mais completa do M1 Max com um MSI GE76 Raider, notebook com CPU Intel Core i9 11980HK e GPU Nvidia GeForce RTX 3080 16 GB de 165 W, e prometeu entregar o mesmo nível de performance, mas consumindo até 100 W a menos. Além disso, o uso de memória integrada seria uma das vantagens para profissionais, que teriam acesso a quase 64 GB de RAM para a GPU, número 4 vezes maior que a rival da Nvidia.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos