Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,27
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.779,00
    -4,40 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    33.448,40
    +1.032,39 (+3,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    800,68
    -9,51 (-1,17%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.074,06
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.874,89
    -9,24 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.279,75
    +16,75 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9307
    +0,0109 (+0,18%)
     

Apple paga milhões em acordo com mulher que teve imagens íntimas vazadas

·2 minuto de leitura

Em 2016, uma mulher encaminhou seu iPhone para reparo nos Estados Unidos e teve uma surpresa desagradável ao descobrir que os funcionários do suporte da Apple publicaram algumas imagens e vídeos pessoais de sua galeria no seu perfil do Facebook.

Entre os conteúdos, haviam dez fotos com imagens da mulher nua e um vídeo de sexo, arquivos que estavam armazenados na memória do iPhone a ser reparado. De acordo com os detalhes divulgados, a vítima só tomou conhecimento do acontecimento e deletou a publicação após seus amigos comentarem com ela sobre o fato em seu perfil na rede social.

Desde então, a mulher — que na época tinha 21 anos — e a Apple travam uma batalha judicial. Na ação, a empresa de Cupertino é processada por invasão de privacidade e infligir sofrimento emocional.

Em entrevista ao The Telegraph, a Apple explica que “quando soubemos desse flagrante violação de nossas políticas em um de nossos fornecedores em 2016, tomamos medidas imediatas e, desde então, continuamos a fortalecer nossos protocolos de fornecedores.”

A companhia explica que o incidente foi causado por funcionários de uma unidade na Califórnia, administrada pela Pegatron — uma contratada da marca. Logo que o caso foi descoberto pela Maçã, os responsáveis pela violação de privacidade da vítima foram demitidos.

Não foi divulgado qual o valor do acordo proposto pela Apple, mas, de acordo com a publicação, a mulher havia pedido a quantia de US$ 5 milhões (aproximadamente R$ 25,2 milhões na cotação atual) e aceitou a proposta da empresa, encaminhando o caso para uma conclusão.

Vale destacar que, quando um iPhone é enviado para reparo, a marca recomenda que sejam removidas quaisquer senhas presentes no dispositivo para facilitar o reparo. No entanto, também é recomendado que seja feita uma restauração de fábrica para evitar que terceiros tenham acesso a informações pessoais dos usuários. Isso, porém, de forma alguma exime os criminosos do ato, como comprovado pelo acordo feito com a estudante.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos