Mercado abrirá em 7 h 49 min
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,35
    +0,34 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.923,80
    -6,20 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    22.795,11
    -340,37 (-1,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    516,40
    -10,79 (-2,05%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.538,31
    -28,47 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    27.373,01
    +10,26 (+0,04%)
     
  • NASDAQ

    12.030,00
    -76,75 (-0,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5112
    -0,0085 (-0,15%)
     

Apple lança audiolivros narrados por inteligência artificial

A Apple lançou um catálogo de livros totalmente narrados pela voz de uma inteligência artificial. Segundo o jornal The Guardian, a empresa já ensaiava o projeto desde novembro, mas resolveu adiar devido aos problemas do setor de tecnologia, como as demissões na Meta e a compra do Twitter.

O Apple Livros agora conta com o filtro chamado AI narration (Narração por IA, em português) para exibir todas as obras compatíveis com a tecnologia. Segundo a descrição da empresa, todos esses livros ali listados são lidos "por voz digital com base em um narrador humano".

Todo o custo de produção do audiobook foi arcado pela Apple e cada escritor vai receber um percentual de royalties pelas vendas. Os editores envolvidos assinaram acordos de não divulgação para preservar o sigilo do projeto, embora já possam falar.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Os livros narrados pela IA são marcados com o nome "Narrated by Apple Books" ("Narrado pelo Apple Livros", em tradução livre) para diferenciar do conteúdo narrado por humanos. Por enquanto, essa opção está disponível apenas em inglês, mas é provável se expandida para mais idiomas futuramente.

Audiolivros em alta

A estratégia é uma tentativa da empresa de abocanhar um mercado lucrativo e cada vez mais popular do mercado de livros narrados. As pessoas tem adotado esse modelo porque ele é mais versátil: pode ser escutado no caminho do trabalho, na fila do banco ou enquanto realiza tarefas rotineiras. Para alguns, é muito mais prático do que arrumar um ambiente silencioso, com boa iluminação e com uma poltrona confortável para ler.

O mercado de audiolivros explodiu na década passada, mas segue em franco crescimento ano após ano. As empresas de tecnologia demoraram para perceber esse potencial, mas agora a maioria delas já tem algo voltado para esse setor. Estima-se que o mercado global pode movimentar cerca US$ 35 bilhões em vendas até 2030.

Há uma clara tentativa de rivalizar com a Amazon, proprietária da loja Kindle e do Audible, o maior serviço de audiolivros do mundo. O Google também já tem uma IA capaz de fazer leituras de modo natural, então pode ser outro concorrente de peso.

Correndo por fora está o Spotify, que não produz os livros, mas tem uma fatia considerável do mercado de áudio graças às músicas e aos podcasts. O streaming musical já disse ter planos para levar 30 mil títulos narrados para seus clientes. A empresa sueca precisou suspender a venda de audiolivros no iPhone para "agradar" a Apple.

Apple na vanguarda dos livros lidos por IA

Os audiobooks lidos por IA não tem o nome do narrador, pois foram narrados pela tecnologia da Apple (Imagem: Reprodução/Apple)
Os audiobooks lidos por IA não tem o nome do narrador, pois foram narrados pela tecnologia da Apple (Imagem: Reprodução/Apple)

A Apple passou alguns meses atrás de editoras independentes para convencê-las a levar seus produtos para a sua loja virtual. Algumas entraram, outras recusaram, mas o projeto foi finalmente lançado com boa variedade de autores.

A IA de leitura da Apple não chega a surpreender, já que existem várias semelhantes espalhadas pro aí, principalmente nas redes sociais. Mesmo assim, é algo inovador do ponto de vista dos audiolivros, já que a leitura precisa ser cadenciada, sem aquele tom robótico característico. Resta saber como o público vai reagir.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: