Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,58
    +0,38 (+0,33%)
     
  • OURO

    1.824,10
    +10,10 (+0,56%)
     
  • BTC-USD

    29.897,96
    -863,16 (-2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    670,05
    +427,37 (+176,11%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    20.193,60
    +243,39 (+1,22%)
     
  • NIKKEI

    26.577,34
    +30,29 (+0,11%)
     
  • NASDAQ

    12.298,25
    +53,50 (+0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2666
    -0,0139 (-0,26%)
     

Apple estima queda nas vendas em até R$ 80 bilhões no próximo trimestre

Apple estima queda de até R$ 80 bilhões no próximo trimestre por causa das restrições de Covid na China. Foto: Getty Images.
Apple estima queda de até R$ 80 bilhões no próximo trimestre por causa das restrições de Covid na China. Foto: Getty Images.
  • Tim Cook, CEO da Apple, afirmou na última quinta-feira (28) em teleconferência que a companhia deve enfrentar uma queda nas vendas estimada em até US$ 8 bilhões no próximo primeiro trimestre;

  • As vendas da Apple caíram 23% no primeiro trimestre de 2022, quando comparadas ao mesmo período de 2021;

  • Atualmente, a Apple tem uma participação de 17,9% no mercado chinês, contra 21,7% do último trimestre de 2021.

O CEO da companhia norte-americana de produtos eletrônicos Apple, Tim Cook, afirmou na última quinta-feira (28) em teleconferência de resultados que as restrições à Covid na China e a escassez de silício no mercado devem afetar o próximo trimestre da empresa entre US$ 4 bilhões e US$ 8 bilhões, cerca de R$ 20 bilhões e R$ 40 bilhões na cotação atual.

Nos primeiros três meses de 2022, as vendas da Apple caíram 23% quando comparadas ao mesmo período de 2021, segundo um relatório divulgado na última quinta-feira pela consultoria Conterpoint Research.

Leia também:

Na China, a venda de smartphones caiu 14% no primeiro trimestre. Enquanto isso, a companhia por trás dos iPhone tem agora uma participação no mercado chinês de 17,9%, contra os 21,7% do último trimestre de 2021.

Outro relatório, publicado pela Canalys na última sexta-feira (29), divulgou que a Apple saiu da liderança do mercado na China, indo para o terceiro lugar e tendo uma queda de embarques de 36% em relação ao trimestre anterior.

Segundo Ivan Lam, analista sênior da Counterpoint Research, o enfraquecimento da companhia na China ocorreu em parte por causa da desaceleração econômica chinesa que atingiu o bolso da população. Em março, as vendas no varejo contraíram pela primeira vez em mais de um ano.

Nesse tempo, o desemprego também aumentou, atingindo o recorde de 6% em 31 grandes cidades. Antes da pandemia, já havia uma queda de demanda visível no mercado de smartphones chinês.

*Informações da CNN.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos