Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.297,28
    -141,13 (-0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,22 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,68 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Com valor recorde da Apple, Jobs poderia ser o mais rico do mundo

·2 min de leitura
Steve Jobs vendeu 11% da Apple ainda na década de 1980 (Getty Images)
Steve Jobs vendeu 11% da Apple ainda na década de 1980 (Getty Images)
  • Steve Jobs vendeu quase todas as suas ações da empresa nos anos 1980

  • Se mantivesse os 11% que tinha da Apple, Jobs teria sido homem mais rico do mundo

  • Hoje, participação de Jobs seria equivalente a quase US$ 22 bilhões

Na última segunda-feira (03), a Apple se tornou a primeira empresa a atingir uma capitalização de mercado de US$ 3 trilhões (cerca de R$ 17 trilhões) - mais de nove vezes o que a empresa valia quando o fundador Steve Jobs morreu de câncer em 2011. Ao contrário de outros lendários magnatas da tecnologia como Jeff Bezos, Elon Musk e Mark Zuckerberg, Jobs possuía muito pouco da Apple na época de sua morte - a maior parte da fortuna que Jobs passou para a esposa veio de uma participação de cerca de 8% na Disney, que o mesmo adquiriu quando vendeu o estúdio de animação que cofundou, a Pixar, para a Disney em 2006.

Leia também:

11% da Apple, antes de ser expulso

Com base no valor atual da Disney, a participação de Jobs agora seria de quase US$ 22 bilhões (mais de R$ 125 bi). Mas em uma história alternativa, Jobs poderia ter ficado com um pedaço maior da Apple e acabado como o homem mais rico do mundo. Jobs possuía cerca de 11% da Apple quando a empresa abriu o capital em 1980. Cinco anos depois, ele foi expulso da empresa e vendeu furiosamente todas as suas ações, exceto uma, dizendo que não tinha fé na liderança da empresa. Ele manteve a ação única para que pudesse acessar os relatórios dos investidores.

Homem mais rico do mundo

Com a Apple atingindo capitalização de US$ 3 trilhões na segunda-feira, uma participação de 11% valeria agora cerca de US$ 330 bilhões (quase R$ 1,8 trilhões). Isso colocaria Jobs à frente do homem mais rico do mundo, Elon Musk, que tem um patrimônio líquido de US$ 298,7 bilhões (R$ 1,7 trilhões) - assim como Jeff Bezos, que tem um patrimônio líquido de US$ 195,8 (R$ 1,1 trilhões), de acordo com a Forbes.

Retorno à Apple

Depois de mais de uma década fora da Apple, Jobs voltou à empresa como CEO em 1997. Embora tenha recebido milhões de ações em compensação, o tecnólogo nunca recuperou nada perto de sua participação original. Durante sua segunda gestão como CEO, Jobs também foi pego em um escândalo de opções de ações.

A Securities and Exchange Commission acusou a Apple de retroagir - o que envolve escrever ilegalmente a data errada em acordos para dar opções de ações aos funcionários - a fim de dar a Jobs e outros executivos pacotes de remuneração melhores e para evitar impostos. Jobs e Apple acabaram fechando uma ação judicial contra o escândalo de US$ 14 milhões (cerca de R$ 80 mi), enquanto outros executivos pagavam multas menores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos