Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.608,76
    -345,14 (-0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.036,38
    +293,23 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,66
    +2,23 (+2,06%)
     
  • OURO

    1.808,30
    +6,80 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    19.788,23
    +357,23 (+1,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    429,24
    +9,10 (+2,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.232,65
    +64,00 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.153,81
    +218,19 (+0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.554,00
    -57,25 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5546
    -0,0041 (-0,07%)
     

Apple economiza R$ 34 bilhões com retirada de carregadores do iPhone

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Bangkok, Thailand - January 17, 2022: An iPhone 13 with 20W power adapter and Lightning cable.
Medida não foi bem aceita no Brasil

(Getty Images)

  • Apple economiza R$ 34 bilhões ao não incluir carregadores nas caixas de iPhones novos;

  • Medida foi tomada em 2020 no mundo todo;

  • Empresa ainda pode ter lucrado R$ 1,5 bilhão com venda separada dos itens.

A Apple economizou 5 bilhões de libras, equivalentes a R$ 33,63 bilhões, ao não incluir os carregadores de iPhone nas caixas dos aparelhos vendidos. O cálculo foi feito por analistas ouvidos pelo Daily Mail.

Estima-se que a empresa tenha vendido cerca de 190 milhões de celulares em todo mundo – desde que anunciou a mudança, em 2020 - sendo que cada um corresponderia a uma economia de 27 libras (R$ 181,6).

De acordo com o jornal, a empresa ainda teria lucrado 225 milhões de libras (R$ 1,5 bilhão) com a venda separada de carregadores, já que o acessório não estava mais presente nas caixas dos novos celulares.

Novidade não foi bem aceita no Brasil

Na época, a Apple afirmou que a medida estava sendo tomada para reduzir o lixo eletrônico e preservar o meio ambiente. No entanto, órgãos brasileiros de defesa do consumidor no Brasil logo notificaram a empresa e cobraram maiores explicações.

Em dezembro de 2021, o governo federal deu um prazo de 20 dias para que a Apple prestasse explicaçõessobre a ausência de carregadores. O despacho atendeu a uma nota da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), que desde 2020, analisa a questão.

O órgão vê indícios de venda casada pela ideia de que um acessório do tipo precisaria ser adquirido pelos usuários para uso completo do smartphone, mesmo que em um modelo que não o oficial da Apple. Por conta disso, veio o pedido de esclarecimentos ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, bem como a possibilidade de aplicação de multa de R$ 11 milhões pela prática considerada abusiva.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos