Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.587,90
    +1.582,68 (+1,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.569,03
    +279,12 (+0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,70
    +0,49 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.843,50
    +2,30 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    29.256,45
    -768,73 (-2,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    652,49
    -20,88 (-3,10%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.820,75
    -57,50 (-0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1525
    -0,0663 (-1,27%)
     

Apple é processada por retirar serviço de pagamento da Rússia

Apple está sendo processada por ter retirado serviço de pagamento da Rússia. Foto: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration.
Apple está sendo processada por ter retirado serviço de pagamento da Rússia. Foto: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration.
  • Um escritório de advocacia na Rússia está processando a Apple por retirar seu serviço de pagamento do país;

  • O escritório está pedindo US$ 1,26 milhão por danos aos consumidores;

  • A Apple suspendeu as operações na Rússia após a invasão à Ucrânia.

Um escritório de advocacia na Rússia entrou com uma ação contra a gigante dos produtos eletrônicos Apple pedindo 90 milhões de rublos, cerca de US$ 1,26 milhão, ou R$ 6,3 milhões na cotação atual, por danos aos consumidores, depois que a companhia retirou seu serviço de pagamento do país.

O escritório Chernyshov, Lukoyanov & Partners, que fica sediado em Moscou, alegou na última sexta-feira (29) que a empresa violou os direitos dos usuários russos após restringir a utilização do serviço integrado Apple Play no 1° de março.

Leia também:

O processo, aberto em um tribunal de Moscou, pede 90 milhões de rublos, incluindo indenização por “danos morais” causados a cidadãos.

De acordo com o escritório, a restrição dos serviços diminuiu a funcionalidade dos dispositivos e consequentemente o valor da marca, postura que afirma ser injusta e discriminatória diante da lei russa.

O grupo afirmou que está chamando outros reclamantes para se juntar no processos e aumentar os danos morais solicitados, bem como exigindo a retomada da operação completa do serviço de pagamento na Rússia.

Anteriormente, o mesmo escritório de advocacia entrou com uma ação judicial contra a Netflix, que também suspendeu operações no país como resposta à invasão na Ucrânia.

*Com informações da Reuters e da Business Insider.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos