Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,11 (-0,15%)
     
  • OURO

    1.805,70
    +3,90 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    38.143,02
    +4.166,09 (+12,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    909,97
    +116,24 (+14,64%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    26.692,02
    -629,96 (-2,31%)
     
  • NIKKEI

    27.897,30
    +349,30 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    15.085,00
    -13,00 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1187
    -0,0029 (-0,05%)
     

Apple e Intel podem ser as primeiras a usar um novo processo de fabricação de chips

·2 minuto de leitura
Apple e Intel podem ser as primeiras a usar um novo processo de fabricação de chips
Apple e Intel podem ser as primeiras a usar um novo processo de fabricação de chips

As gigantes da tecnologia Apple e a Intel devem ser as primeiras do mercado a garantir o uso de uma nova tecnologia de fabricação de chips em parceria com a taiwanesa Taiwan Semiconductor Manufacturing (TSMC).

Conforme o reportado pelo portal de notícias Nikkei Asia nesta sexta-feira (2), ambas estão testando seus respectivos projetos para desenvolver chips de próxima geração fabricados em 3 nanômetros.

Segundo a publicação, um dos modelos de iPad lançado em 2022 será o primeiro dispositivo a vir equipado com o ‘SoC’ (System-on-a-chip, ou, em português, sistema-em-um-chip) mais avançado.

A produção comercial em larga escala está prevista para começar apenas no segundo semestre do ano que vem. A TSMC afirma que a nova tecnologia pode aumentar o desempenho dos processadores em até 15% em comparação com a fabricação em 5 nm, enquanto reduz o consumo de energia em até 30%.

Leia mais:

Em resumo, quanto menor o chip, menores são os seus transistores, o que significa que todo o design pode ser “encolhido”. A redução permite integrar ainda mais transistores, o que, por sua vez, significa mais cálculos possíveis e um desempenho superior.

Também há uma vantagem no consumo de energia. Apesar do aumento na contagem de transistores, componentes menores precisam de menos energia para funcionar, logo a eficiência aumenta. Algo muito útil para dispositivos que precisam ser alimentados por baterias, como smartphones, tablets e laptops.

Parceria da Intel com a TSMC

Processador Intel
Intel utiliza o mesmo processo de fabricação nos seus processadores para desktop desde 2014. Imagem: Victor Maschek/Shutterstock

A Intel está trabalhando com a TSMC em pelo menos dois projetos de processadores para notebooks e servidores. Uma tentativa da empresa de tornar os seus chips mais competitivos para recuperar a fatia de mercado que perdeu para sua rival AMD e Nvidia nos últimos anos.

O novo CEO da empresa, Pat Gelsinger, quer que a Intel seja mais agressiva no futuro. Contudo, as CPUs ‘Rocket Lake-S‘ de 11ª geração para desktops, ainda utilizam o mesmo processo de 14 nanômetros, usado pela primeira vez em 2014.

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos