Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.090,30
    +1.047,82 (+0,99%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.319,65
    +414,59 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    43,11
    +0,69 (+1,63%)
     
  • OURO

    1.834,90
    -37,50 (-2,00%)
     
  • BTC-USD

    18.344,89
    -109,86 (-0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    362,87
    +1,45 (+0,40%)
     
  • S&P500

    3.570,92
    +13,38 (+0,38%)
     
  • DOW JONES

    29.536,76
    +273,28 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.333,84
    -17,61 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    26.486,20
    +34,66 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    25.527,37
    -106,93 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.881,25
    -24,50 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4416
    +0,0617 (+0,97%)
     

Apple concorda em pagar US$ 113 milhões para dar fim à polêmica “BatteryGate”

Ramon de Souza
·1 minuto de leitura

A novela conhecida como “BatteryGate” ainda não terminou. Após receber uma multa de 25 milhões de euros na França, a Apple concordou, nesta quarta-feira (18), pagar a quantia de US$ 113 milhões (cerca de R$ 606 milhões) para 35 estados dos EUA (incluindo a capital Washington D.C.) para dar um fim aos inúmeros processos judiciais locais. O valor será repartido de forma igualitária aos estados norte-americanos.

Em 2018, a Maçã se viu em maus lençóis após degradar propositalmente o desempenho de iPhones antigos (do iPhone 6 para baixo) quando a vida útil de suas baterias estavam chegando ao fim. Essa degradação foi aplicada na forma de uma atualização de software que, uma vez instalada, não poderia ser removida. A atitude deixou muita gente furiosa e vários clientes acusaram a marca de praticar obsolência programada.

A companhia chegou a ressarcir alguns consumidores em US$ 25 e dar descontos para trocas de baterias, mas isso não foi o suficiente e processos continuaram a surgir. Segundo o advogado General Mark Brnovich, do Arizona, que ficou responsável por fazer investigações sobre o caso, a empresa tinha total ciência dos impactos que tal update poderia causar na experiência dos seus clientes.

Segundo Brnovich, “a Apple violou várias leis de proteção ao consumidor, como a Lei de Fraude do Consumidor do Arizona, ao deturpar e ocultar informações” sobre os efeitos negativos que a atualização poderia trazer. Além do valor a ser pago, a Maçã também foi orientada a “fornecer informações verdadeiras aos consumidores sobre a saúde da bateria do iPhone, desempenho e gerenciamento de energia”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: