Mercado fechado
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,23
    -1,03 (-1,45%)
     
  • OURO

    1.809,30
    -8,80 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    38.183,54
    -770,13 (-1,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    928,35
    -15,09 (-1,60%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.105,72
    +24,00 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    15.035,00
    +82,25 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1649
    +0,0208 (+0,34%)
     

Apple busca elevar produção de novos iPhones em até 20%: Fontes

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Apple pediu a fornecedores que fabriquem até 90 milhões de iPhones da próxima geração este ano, um forte aumento em relação às remessas de iPhones em 2020, de acordo com pessoas com conhecimento do assunto.

A gigante de tecnologia com sede em Cupertino, Califórnia, tem mantido um nível consistente nos últimos anos de cerca de 75 milhões de unidades para a campanha inicial no lançamento de um dispositivo até o final do ano. A previsão atualizada para 2021 sugere que a empresa antecipa que seu primeiro lançamento de iPhones desde o início da distribuição de vacinas contra a Covid-19 irá atrair maior demanda. Os próximos iPhones serão o segundo modelo da Apple com 5G, um importante chamariz que estimula usuários a fazerem um upgrade.

A atualização deste ano será mais incremental do que a do iPhone 12 do ano passado, destacando melhorias no processador, na câmera e na tela, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas. A Apple planeja atualizações para todos os modelos atuais, abrangendo as versões regulares de 5,4 e 6,1 polegadas e os modelos Pro de 6,1 polegadas e 6,7 polegadas. Os aparelhos, de codinome D16, D17, D63 e D64, devem ser anunciados em setembro, mais cedo do que no ano passado, em outubro, em parte graças à recuperação da cadeia de suprimentos.

Pelo menos uma das novas versões terá um display LTPO (sigla em inglês para óxido policristalino de baixa temperatura) capaz de alternar sua taxa de atualização com base no conteúdo que está sendo mostrado. A Apple usa essa tecnologia no Apple Watch há vários anos, permitindo que a tela fique mais lenta em certas situações - como o modo Always On - para estender a vida da bateria. Oppo, OnePlus e Samsung Electronics já possuem telas LTPO em seus principais aparelhos. Os novos iPhones com monitores LTPO também usarão a tecnologia IGZO (óxido de índio-gálio-zinco) para melhorar a eficiência energética e a capacidade de resposta.

Um porta-voz da Apple não quis comentar.

Embora a Apple tenha pedido a fornecedores para montar até 90 milhões de unidades, o número real pode ficar alguns milhões de unidades abaixo da meta, disse uma das pessoas. A unidade de smartphones da Huawei Technologies, atingida por sanções, é um fator importante para o aumento dos pedidos de remessas da Apple, de acordo com outra pessoa familiarizada com a estratégia.

A contínua escassez de chips, que prejudicou as operações em várias setores globais, não deve afetar a produção dos próximos iPhones, disseram algumas pessoas. A Apple é o principal cliente da fabricante de chips Taiwan Semiconductor Manufacturing e seus pedidos enormes tornam o lançamento de um iPhone um evento anual que fornecedores da Ásia planejam com meses de antecedência.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos