Mercado fechará em 3 h 51 min
  • BOVESPA

    113.363,14
    +80,47 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.506,94
    +401,23 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,19
    +1,21 (+1,64%)
     
  • OURO

    1.751,50
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    43.306,67
    -175,48 (-0,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.077,47
    -24,05 (-2,18%)
     
  • S&P500

    4.445,03
    -10,45 (-0,23%)
     
  • DOW JONES

    34.953,49
    +155,49 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.063,40
    +11,92 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    24.208,78
    +16,62 (+0,07%)
     
  • NIKKEI

    30.240,06
    -8,75 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.153,75
    -165,00 (-1,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2688
    +0,0132 (+0,21%)
     

Apple adia retorno a escritórios pelo menos até janeiro

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Antes programada para outubro, a volta dos funcionários da Apple aos escritórios foi adiada até pelo menos janeiro devido ao aumento de casos de Covid-19 e novas variantes, segundo memorando enviado à equipe na quinta-feira.

A empresa disse aos funcionários que planeja confirmar o cronograma de reabertura um mês antes do retorno obrigatório aos escritórios. A Apple tinha planejado que todos os funcionários retornassem aos escritórios corporativos no início de setembro, mas depois adiou a volta até outubro. Quando os funcionários forem obrigados a retornar, deverão trabalhar no escritório pelo menos três dias por semana - segundas, terças e quintas-feiras - com trabalho remoto disponível às quartas e sextas-feiras.

O memorando para a equipe, enviado pela diretora de recursos humanos e de varejo, Deirdre O’Brien, acrescentou que a empresa atualmente não espera fechar os escritórios ou lojas de varejo. Mas ela incentivou a equipe a se vacinar. A empresa ainda não exigiu vacinação ou testes, embora tenha ampliado seu programa para três testes de Covid em casa por semana. Uma porta-voz da Apple não quis comentar o memorando.

Em julho, a fabricante do iPhone se tornou uma das primeiras gigantes da tecnologia dos Estados Unidos a adiar o retorno à normalidade em meio à propagação de variantes do coronavírus durante o verão. Agora, o avanço da cepa delta ao redor do mundo leva à reformulação dos planos de retorno por grandes empresas dos EUA, mesmo que as taxas de infecção ainda correspondam a cerca de 25% do pico.

Depois de suspender a exigência do uso de máscara em junho, a Apple restabeleceu a política no mês passado. Em menos de um dia, a empresa também desistiu do plano de retomar cursos presenciais nas lojas.

Na quinta-feira, a Apple fechou uma loja de varejo na Carolina do Sul, depois que mais de 20 funcionários testaram positivo ou foram expostos à Covid-19. A empresa também reduziu o horário de funcionamento em algumas unidades de varejo devido, em parte, ao afastamento de funcionários por causa do coronavírus.

A Apple é mais uma empresa a adiar o retorno aos escritórios até 2022, seguindo os passos da Lyft, Amazon.com, Facebook, entre outras. O retorno em janeiro de 2022 significaria que os funcionários da Apple terão passado quase dois anos sem serem obrigados a entrar nas instalações corporativas, desde o início do surto de Covid-19 nos Estados Unidos em março de 2020.

Recentemente, a empresa implementou um programa para permitir que alguns funcionários do varejo trabalhem em casa, com o atendimento de clientes online. As lojas físicas desempenharão um papel fundamental nos próximos meses com os lançamentos programados de iPads, iPhones, Apple Watches, AirPods e Macs.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos