Mercado fechado
  • BOVESPA

    124.932,91
    -1.213,75 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.274,01
    +33,50 (+0,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,04
    +0,13 (+0,18%)
     
  • OURO

    1.801,50
    -3,90 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    32.321,10
    -4,71 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    781,83
    -11,90 (-1,50%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.095,00
    +166,50 (+1,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1318
    +0,0116 (+0,19%)
     

Apple adia retorno dos funcionários ao escritório, diz agência

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Apple adiou a volta dos funcionários ao trabalho presencial em pelo menos um mês, segundo a agência de notícias Bloomberg. A reavaliação ocorre após incertezas relacionadas a variante delta do coronavírus terem derrubado bolsas ao redor do mundo nesta segunda-feira (19).

As informações foram passadas por empregados da empresa em condição de anonimato, afirma a agência.

Em junho, o presidente-executivo da companhia, Tim Cook, disse em comunicados internos que a volta seria em setembro, por pelo menos três vezes na semana. No comunicado ele citava a oferta de vacinas e a queda no número de contágios.

No mesmo mês, a Apple também desobrigou o uso de máscaras internamente, o que teria sido revogado nesta semana. Funcionários de lojas físicas estão sendo orientados a usar o acessório de proteção, estejam eles vacinados ou não.

Em maio, autoridades de saúde americanas anunciaram que em quase todas as circunstâncias o uso de máscaras e o respeito ao distanciamento social não eram mais necessários para as pessoas que tivessem sido completamente vacinadas contra a Covid-19.

A variante delta, mais contagiosa e identificada inicialmente na Índia em dezembro passado, avança com velocidade. No sábado (17), o estado de Nova York (EUA) registrou mais de 1 mil casos de Covid-19 em um dia pela primeira vez desde meados de maio, enquanto as autoridades de países como Austrália e Vietnã lutavam contra o aumento das infecções.

A preocupação com novos lockdowns e com a inflação nos EUA e na Europa derrubou as bolsas dos Estados Unidos nesta segunda (19). Em Wall Street, os índices Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq encerraram a sessão em quedas de 2,09%, 1,59% e 1,06%, respectivamente. Já nesta terça houve um movimento de recuperação com correção dos preços por investidores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos