Mercado abrirá em 17 mins
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,36
    -1,20 (-1,70%)
     
  • OURO

    1.828,90
    +14,80 (+0,82%)
     
  • BTC-USD

    38.487,72
    +173,16 (+0,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    940,24
    -3,20 (-0,34%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.120,85
    +15,13 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.029,75
    -16,50 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1648
    -0,0007 (-0,01%)
     

Apple adia retorno aos escritórios após aumento nos casos de COVID-19

·2 minuto de leitura

A Apple teria adiado em cerca de um mês o retorno de seus funcionários aos escritórios diante do aumento nos casos de COVID-19 nos Estados Unidos. A nova variante Delta, que está motivando, inclusive, um novo estabelecimento de restrições mesmo nos estados que já tinham liberado até o uso de máscaras, fez com que a empresa atrasasse para meados de outubro a volta do trabalho presencial.

As informações não foram confirmadas oficialmente, mas jogam água na ideia original da Apple, que gostaria de ver seus escritórios voltando a funcionar em meados de setembro. A companhia adotaria um regime híbrido, com trabalho presencial pelo menos três vezes por semana; tais planos ainda estariam de pé, mas agora a ideia seria que o estabelecimento desse regime só seria possível em outubro.

O plano, porém, parece incerto, já que depende da redução no número de casos de COVID-19 e da continuidade da vacinação da população estadunidense. A alteração nos planos não foi divulgada publicamente, mas funcionários falaram à Bloomberg sobre o assunto e citaram um compromisso da Apple em informar, com pelo menos um mês de antecedência, sobre a volta mandatória aos escritórios.

Isso também se deve ao fato de, durante a pandemia, muitos dos trabalhadores da empresa terem se realocado para cidades menores, em busca de gastos mais baixos com aluguel e outras despesas. Viver no Vale do Silício é caro e um dos motivos pelos quais a própria Apple decidiu realizar esforços para descentralizar suas operações, ainda que o Apple Park, em Cupertino, continue sendo a base central da Maçã.

Em junho, um grupo de 2,8 mil funcionários da Apple divulgou uma carta aberta ao CEO, Tim Cook, e outros executivos da Apple pedindo por mais flexibilidade no regime de trabalho. Eles citaram exemplos de outras empresas de tecnologia, como Microsoft e Facebook, que adotaram calendários mais abertos e de acordo com a disponibilidade dos trabalhadores. Publicamente, a Maçã respondeu apenas que a colaboração presencial faz parte da cultura e do futuro da companhia.

Além dos dois dias de trabalho remoto por semana, os colaboradores da Apple podem utilizar duas semanas por ano de trabalho completamente remoto. É o contrário, por exemplo, de outros nomes grandes, como o Google, que diz esperar que 20% de seus funcionários adotem esse regime completamente mesmo após o retorno de outros trabalhadores aos escritórios.

A Apple não se pronunciou oficialmente sobre as informações publicadas na imprensa internacional, deixando de confirmar ou negar um adiamento nos planos de retorno aos escritórios.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos