Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.286,47
    +1.235,19 (+2,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Apple é condenada a pagar R$ 1,7 bilhão por violação de patentes

Igor Almenara
·2 minuto de leitura

A Apple foi condenada a pagar US$ 308,5 milhões (cerca de R$ 1,7 bilhão) à uma empresa estadunidense por violação de patente. A justiça dos Estados Unidos entendeu que a Maçã infringiu o registro da Personalized Media Communications (PMC) sobre um método de gerenciamento de direitos autorais e ordenou o pagamento de royalties correntes, mas a companhia deve recorrer.

Aberta em 2015, a disputa debate sobre os direitos sobre o FairPlay, o sistema de gerenciamento de direitos autorais sobre produções para distribuição de conteúdo no iTunes, App Store e Apple Music. O caso foi dado como encerrado anos atrás, mas foi revisado pela corte em 2020 e levado novamente para análise.

Trata-se do sistema automatizado de distribuição de conteúdo que associa o app, música ou outro conteúdo exclusivamente ao dispositivo ou usuário de destino, que porta a chave para decriptar o arquivo.

Quando avaliado pela primeira vez, um profissional da Personalized Media calculou a dívida de royalties retroativos de US$ 240 milhões. Contudo, depois do processo, os jurados do tribunal optaram pelo pagamento sobre o uso atual, que varia de acordo com a dimensão do produto existente e sua popularidade, resultando no valor exorbitante de US$ 308,5 milhões.

Apple vai recorrer

Descontente, a Apple afirma que recorrerá da decisão. “Casos como esse, introduzidos pro empresas que não fazem ou vendem produtos, sufocam a inovação e impactam consumidores”, alegou a empresa. A própria PMC tem outras disputas judiciais correntes contra Netflix, Alphabet e Amazon.

O caso ainda deve ser discutido nos tribunais para chegar ao seu desfecho. Vale lembrar que essa não é a primeira vez que a Apple encara a justiça contra empresas de outros mercados por violação de patentes. No Brasil, caso semelhante aconteceu entre a companhia de Tim Cook e a Gradiente, numa briga pela marca iPhone; nesse caso, o Superior Tribunal de Justiça decidiu à favor da Maçã.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: