Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,58
    +0,38 (+0,33%)
     
  • OURO

    1.825,90
    +11,90 (+0,66%)
     
  • BTC-USD

    29.888,57
    -871,66 (-2,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    669,89
    +427,21 (+176,04%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    20.250,83
    +300,62 (+1,51%)
     
  • NIKKEI

    26.588,63
    +41,58 (+0,16%)
     
  • NASDAQ

    12.325,50
    +80,75 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2656
    -0,0149 (-0,28%)
     

Apple é única marca de celulares que aumentou vendas em 2022, apontam pesquisas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Novos relatórios divulgados por agências de mercado como a Strategy Analytics, Canalys e IDC mostram que a Apple foi a única marca de celulares que aumentou as suas vendas durante o primeiro trimestre de 2022, em comparação com o mesmo período do ano passado. Mesmo que os números mostrados pelos três institutos apresentem algumas diferenças pontuais, todos revelam um padrão bastante positivo para a companhia de Cupertino.

Relatório Canalys

Marca

Fatia de mercado - 1ºT 2022

Fatia de mercado - 1ºT 2021

Crescimento anual

(em dispositivos vendidos)

Samsung

24%

22%

-4%

Apple

18%

15%

8%

Xiaomi

13%

14%

-20%

Relatório Strategy Analytics

Marca

Fatia de mercado - 1ºT 2022

Crescimento anual

(em dispositivos vendidos)

Samsung

23.8%

-2,7%

Apple

18,2%

0,6%

Xiaomi

12,4%

-19,6%

Relatório IDC

Marca

Fatia de mercado - 1ºT 2022

Fatia de mercado - 1ºT 2021

Crescimento anual

(em dispositivos vendidos)

Samsung

23,4%

21,6%

-1,2%

Apple

18%

16%

2,2%

Xiaomi

12,7%

14,1%

-17,8%

As pesquisas indicam que a Apple teve uma quantidade superior a 57 milhões de dispositivos vendidos no período analisado. Estes números incluem todos os celulares que a marca comercializa atualmente — ou seja, as linhas iPhone 13, iPhone 12, iPhone 11 e o recente iPhone SE 2022, que pretende atingir um mercado de dispositivos mais acessíveis.

Um panorama semelhante já tinha sido indicado dias atrás, quando foi noticiado que a marca pretende aumentar o ritmo de produção dos modelos iPhone 13 Pro e iPhone 13 Pro Max, para que a demanda dos próximos meses seja suprida.

Esses resultados positivos foram registrados em um período pouco convencional para a marca. Normalmente, as vendas da Apple crescem de forma significativa nos últimos meses do ano, quando é lançada a nova linha de iPhones — a empresa aposta no iPhone SE 2022 para manter valores mais estáveis durante outras épocas, mas o modelo ainda não decolou da forma esperada.

Na última quinta-feira (28), a empresa divulgou seu balanço trimestral, em que as receitas geradas ultrapassaram as expectativas. Segundo os números informados, a marca recebeu cerca de 97 bilhões de dólares em vendas — algo equivalente a R$ 479 bilhões em conversão direta.

Concorrentes de olho no mercado

Mesmo com crescimento da Apple, Samsung permanece na liderança (Imagem: Divulgação/Samsung)
Mesmo com crescimento da Apple, Samsung permanece na liderança (Imagem: Divulgação/Samsung)

Mesmo com o crescimento visto em relação ao ano passado, a Apple permanece atrás da Samsung na quantidade bruta de dispositivos vendidos. A marca coreana supera as 73 milhões de unidades comercializadas em todas as pesquisas, e a tendência é de um aumento ainda mais significativo por conta dos novos representantes intermediários na linha Galaxy A e celulares dobráveis que serão lançados no começo do segundo semestre.

Por outro lado, as marcas chinesas estão entre as que registraram quedas mais expressivas, incluindo a Xiaomi. Os principais motivos para este panorama incluem a sequência da pandemia de covid-19 com lockdowns frequentes na China, além da crise de componentes e dificuldades logísticas diversas.

Por isso, o mercado global de smartphones segue com vendas reduzidas em relação ao período pré-pandêmico. Analistas apontam que a situação deverá se amenizar apenas a partir do segundo semestre, quando a disponibilidade de peças poderá ser estabilizada e as linhas de produção voltarão a operar em ritmos normais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos