Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.768,73
    +15,83 (+0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

App monitora vacinação de alunos e funcionários

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A startup White Tents, incubada na Eretz.bio, do hospital Albert Einstein, construiu uma ferramenta para que empresas e escolas acompanhem a vacinação de alunos e funcionários.

A companhia lançou o aplicativo Imune, que funciona como uma carteirinha digital de vacinação. Nele, o usuário pode anotar dados sobre vacinas que já tomou, local em que ocorreu a aplicação e quando deverá ser aplicada a próxima dose, além de escanear comprovantes.

Enquanto o serviço é gratuito para o cliente final, empresas podem contratar a startup para ter uma plataforma que permite gerenciar quem dentre seus funcionários já foi vacinado.

Matheus Couto, diretor de tecnologia e cofundador da White Tents, diz acreditar que, com o retorno para as atividades presenciais acontecendo aos poucos, há maior preocupação de empresas e escolas em manter seus ambientes seguros, o que cria a oportunidade para sua startup.

Couto diz esperar que empresas e escolas tornem a comprovação da vacina obrigatória para clientes e alunos. "Conforme a vacinação avance, pais não vão querer seus filhos do lado de alguém que não se vacinou", diz.

A companhia também prevê que empresas de eventos solicitem o upload de informações das carteiras de vacinação com dados sobre vacinação dos participantes.

O empresário afirma que o compartilhamento da informação para empresas e escolas clientes da startup só acontece após consentimento do usuário.

Segundo ele, a startup fez um projeto para testar sua ferramenta com um grupo restrito de funcionários do Einstein e deve ampliar a adoção do aplicativo para toda a equipe do hospital.

Também está em contato com cinco escolas interessadas em adotar a carteirinha digital. A meta é chegar a 25 organizações neste ano, segundo Couto.

A companhia tem entre seus sócios e fundadores Jeffrey Hoberman, fundador da empresa Recovery, de recuperação de crédito.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos