Mercado fechará em 1 h 24 min
  • BOVESPA

    109.081,08
    +104,38 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.577,51
    -91,13 (-0,18%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,39
    +1,11 (+1,46%)
     
  • OURO

    1.743,80
    -10,20 (-0,58%)
     
  • BTC-USD

    16.259,84
    -272,56 (-1,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    381,46
    +1,17 (+0,31%)
     
  • S&P500

    3.992,37
    -33,75 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.080,37
    -266,66 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.703,50
    -79,25 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5563
    -0,0681 (-1,21%)
     

App da Amazon deixa de vender livros digitais, filmes e séries; entenda

Chiang Mai, Thailand - April 26, 2016: man hand holding screen shot of Amazon application showing on Asus Zenfone 2 mobile phone. Amazon is an American international electronic commerce company.
Existe a chance da decisão impactar nas vendas

(Getty Images)

  • App da Amazon para Android deixa de vender itens digitais;

  • Política já era aplicada para aplicativos iOS;

  • Motivo está relacionado às comissões cobradas pelo Google a cada compra feita na Play Store.

O aplicativo da Amazon para Android não permite mais que os consumidores realizem compras de itens digitais, como livros, séries e filmes. Como alternativa, os interessados em adquirir algum dos produtos devem buscar o site oficial ou o app Kindle.

De acordo com as informações divulgadas pela BBC, a medida foi tomada para evitar a comissão de 30%, cobrada pelo Google em todas as compras feitas pela Play Store. O pagamento é obrigatório para desenvolvedores que vendem US$ 1 milhão (R$ 5 milhões) ou mais no aplicativo. Apesar de não se pronunciar oficialmente sobre o caso, a Amazon faz parte deste grupo.

Entretanto, existe a chance da decisão impactar nas vendas. Isso porque os consumidores terão, a partir de agora, que percorrer um caminho maior até a conclusão da compra: entrar no site oficial, conferir o carrinho e efetuar o pagamento.

Vale destacar, entretanto, que a política é nova apenas para Android. Aplicativos iOS já enfrentavam essa restrição, devido às taxas semelhantes impostas pela Apple. Além disso, somente as compras de produtos digitais serão afetadas, sendo que a venda de itens materiais segue normal, bem como a reprodução de conteúdos adquiridos.

O Canaltech entrou em contato com a Amazon para saber se a decisão se aplica ao Brasil, mas não obteve resposta.

Amazon Prime sobe no Brasil

Caso a restrição de vendas se aplique aos consumidores brasileiros, será apenas mais uma das mudanças enfrentadas por quem desfruta dos serviços oferecidos pela Amazon. Recentemente, a gigante anunciou que aumentará os preços da mensalidade de seu serviço de streaming, o Amazon Prime.

O plano mensal dá adeus aos R$ 9,90 e passa para R$ 14,90, enquanto o anual sai de R$ 89 para R$ 119. O reajuste passa a valer a partir do dia 20 de maio para todos os novos membros que se tornarem Prime a partir da data. Para aqueles que já assinam o serviço, os preços incidem a partir de 24 de junho, na data da próxima renovação da assinatura.

O Amazon Prime oferece aos clientes um conjunto de benefícios, como serviço de streaming de filmes, séries, música, frete grátis em produtos, descontos exclusivos e outras opções de entretenimento.