Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.126,40
    +78,11 (+0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Apostas eleitorais nos EUA e balanços levam ações europeias à máxima de 2 semanas

Por Sruthi Shankar
·2 minuto de leitura
Bolsa de Frankfurt
Bolsa de Frankfurt

Por Sruthi Shankar

(Reuters) - As ações europeias atingiram uma máxima em mais de duas semanas nesta quinta-feira, com fortes balanços corporativos trimestrais, novos estímulos para a economia do Reino Unido e ganhos em Wall Street após as eleições levantando o ânimo dos investidores.

O índice pan-europeu STOXX 600 valorizou-se 1,1%, para atingir seu maior nível desde 19 de outubro, e caminhava para sua melhor semana em mais de seis meses.

As ações de tecnologia saltaram 2,5%, assim como seus pares nos EUA, mas os ganhos foram amplos na Europa, com os segmentos da mídia, montadoras e empresas químicas subindo mais de 2%.

Embora o resultado das eleições presidenciais dos Estados Unidos ainda não esteja claro, o oponente democrata, Joe Biden, estava se aproximando da vitória sobre o presidente republicano Donald Trump, que alegou fraude eleitoral, entrou com ações judiciais e pediu pelo menos uma recontagem estadual.

Os investidores estavam considerando que os republicanos manteriam o controle do Senado dos EUA, o que diminuía as perspectivas de um novo pacote maciço de estímulos, mas torna mais difícil promulgar regulamentações mais rígidas ou aumentar os impostos corporativos sobre as empresas norte-americanas.

"De uma perspectiva de mercado, a incerteza que estamos vendo faz pouco para impactar o sentimento, com a perspectiva de uma divisão do Congresso limitando a possibilidade de impostos mais altos sob Biden", disse Joshua Mahony, analista sênior de mercado do IG em nota.

Uma série de resultados corporativos positivos também elevou os mercados europeus, com a emissora ProSiebenSat.1 Media de Munique subindo 8,9% depois que voltou a lucrar no terceiro trimestre e restabeleceu sua perspectiva para o ano inteiro.

Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,39%, a 5.906 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 1,98%, a 12.568 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 1,24%, a 4.983 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 1,93%, a 19.731 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 2,1%, a 6.924 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 0,92%, a 4.105 pontos.