Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    47.819,97
    -458,93 (-0,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Apostas contra dólar esbarram em ‘excepcionalismo americano’

Vivien Lou Chen e Todd Gillespie
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Apostar na queda do dólar foi uma das estratégias macro mais populares rumo a 2021. Mas, depois de um início de ano difícil, muitos se perguntam se reduziram as posições na moeda americana muito rapidamente.

O argumento era simples: a recuperação global liderada pela vacinação e a expansão do déficit americano impulsionada por estímulos levariam investidores a buscar ativos dos Estados Unidos. Esses fatores derrubariam o dólar e ampliariam a queda de 5% do ano passado.

No entanto, a distribuição de vacinas relativamente bem-sucedida nos EUA e sinais de que maiores gastos do governo devem ajudar mais a economia doméstica do que sobrecarregá-la com dívidas levaram operadores a repensar a estratégia. Esse movimento impulsionou os rendimentos, aumentou a atratividade de ativos dos EUA e levou a uma corrida para comprar dólar neste ano.

Obviamente, ainda é cedo para tirar conclusões, mas os mercados começam a considerar a possibilidade de que os EUA - ou pelo menos sua economia - podem mais uma vez ser a “cidade brilhante na colina”: o Bank of America citou o “excepcionalismo americano” no início desta semana ao prever mais ganhos do dólar. Isso sem contar os benefícios que os EUA colhem de seu papel único no sistema financeiro global - algo que permite que sua moeda tenha bom desempenho quando o país está crescendo mais que outras nações ou mesmo quando o resto do mundo está atolado em uma crise global. Por isso, o dólar pode desafiar os pessimistas e terminar o ano mais forte.

“Está cada vez mais claro que o crescimento dos EUA em 2021 se beneficiará do estímulo monetário e fiscal que está em curso, e a escala será de maior magnitude do que o estímulo fiscal para o resto do mundo desenvolvido”, disse Ed Al-Hussainy, analista de juros e câmbio da Columbia Threadneedle, que administra US$ 547 bilhões em ativos. “Tudo é positivo para o dólar.”

Esse não era o manual para 2021. Traders que acumularam apostas contra o dólar no final do ano passado enfrentaram um janeiro difícil, já que a moeda americana superou a maioria dos principais pares, com alta de 0,9% de um indicador que acompanha a verdinha. Ainda assim, embora isso tenha causado leve queda das posições vendidas, a maioria manteve a aposta na expectativa de que o salto do dólar durasse pouco. A moeda de fato caiu nos últimos dias, mas há uma sensação preliminar, mas crescente, de que o dólar poderia ter um ano muito melhor do que o esperado.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.