Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.372,28
    -148,38 (-0,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Twitter libera denúncia de notícias falsas sobre Covid-19 no Brasil

Usuários brasileiros se mobilizaram para criticar Twitter sobre Covid devido à impossibilidade de denunciar notícias falsas sobre a Covid-19
Usuários brasileiros se mobilizaram para criticar Twitter sobre Covid devido à impossibilidade de denunciar notícias falsas sobre a Covid-19

(Jakub Porzycki/NurPhoto via Getty Images)

  • Twitter libera recurso de denúncia de notícias falsas no Brasil

  • Mecanismo ajuda a combater a desinformação sobre a Covid-19

  • Até então, estava disponível apenas nos EUA, Coreia do Sul e Austrália

O Twitter anunciou, nesta segunda-feira (17), que disponibilizará a ferramenta de denúncias de notícias falsas sobre a Covid-19 no Brasil, Espanha e Filipinas. O mecanismo funciona, desde agosto do ano passado, nos Estados Unidos, Coreia do Sul e Austrália.

Leia também:

A notícia chega quase duas semanas após a pressão que usuários brasileiros fizeram na rede social. No último dia 5, a hashtag #TwitterApoiaFakeNews ganhou a plataforma e ficou em primeiro lugar entre os assuntos mais comentados no país.

Devido às críticas, a empresa veio a público e rebateu as acusações em uma série de posts.

Contra as fake news

De acordo com o Twitter, é importante “colher aprendizados de uma pequena, porém geograficamente diversificada gama de regiões - incluindo aquelas em que o inglês não é o primeiro idioma - antes de tornar a ferramenta disponível globalmente".

Além disso, os três novos países a terem a chance de usar o recurso contra notícias falsas entraram para a lista devido aos acontecimentos políticos que encararão. “O fato de 2022 ser ano de eleições no Brasil e nas Filipinas, assim como de meio de mandato nos Estados Unidos, contribuirá para a avaliação de como esta ferramenta de denúncias seria usada em períodos de grandes eventos cívicos", destacou em um comunicado. As informações são do O Globo.

Desde o lançamento da plataforma, mais de 3,73 milhões de denúncias foram recebidas, referentes a 1,95 milhão de tuítes diferentes. No entanto, a empresa reitera que pode não tomar medidas "em relação a todas as denúncias recebidas, assim como não poderemos responder a cada uma delas".