Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,98
    -1,24 (-1,53%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.116,22
    +137,38 (+0,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,20 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    12.010,25
    -52,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4979
    +0,0325 (+0,59%)
     

Após golpe, Santander e Pagseguro terão que pagar R$ 25 mil a vítima

Golpe bancário está ficando cada vez mais sofisticado
Golpe bancário está ficando cada vez mais sofisticado
  • Santander, Aymoré Crédito e PagSeguro terão que pagar R$ 25 mil à vítima de golpe;

  • R$ 20 mil é de restituição e R$ 5 mil de indenização por danos morais;

  • Cliente achou que falava com as empresas pelo WhatsApp, mas transferiu dinheiro a um criminoso.

O Banco Santander, a Aymoré Crédito (do grupo Santander) e a PagSeguro terão que restituir R$ 20 mil e pagar outros R$ 5 mil de indenização por danos morais a um cliente que caiu em um golpe pelo WhatsApp. De acordo com a decisão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), as entidades financeiras faltaram com "a necessária segurança contra fraudes".

No processo, o cliente explica que, depois de fechar um contrato de concessão de crédito com o banco Santander e a Aymoré Crédito, entrou em contato com a empresa pelo WhatsApp para quitar antecipadamente a dívida. O que ele não sabia é que estava conversando com um criminoso.

Pelo aplicativo, confirmou seus dados pessoais e pagou quatro boletos no valor total de R$ 20 mil – quantia que foi enviada para a PagSeguro. Dias se passaram sem que a carta de quitação chegasse a seu endereço, o que fez com que ele fosse diretamente no banco pedir explicações. Foi aí que percebeu que havia sido enganado. As informações são do O Globo.

Julgamento

Para a desembargadora Penna Machado, houve “grave falha no serviço prestado” pelas empresas, que não ofereceram segurança contra fraudes virtuais e ofenderam a honra do cliente. Daí a necessidade de indenização por danos morais.

A PagSeguro, beneficiária final dos depósitos, alegou que não há erros na prestação de seu serviço, já que "o cerne da questão é o acesso à lista de clientes do Banco Santander pelos fraudadores". O Santander e a Aymoré, por sua vez, apontaram que o golpe via WhatsApp é amplamente difundido nas mídias, portanto a culpa é do cliente ou de terceiros.

Procurado pelo EXTRA, o Santander disse que "não vai comentar controvérsias em andamento (sub judice). A Pagseguro ainda não respondeu aos pedidos da reportagem.