Mercado abrirá em 9 h 50 min
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,52
    -0,56 (-0,85%)
     
  • OURO

    1.818,90
    -3,90 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    50.046,30
    -7.085,86 (-12,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.374,52
    -189,31 (-12,11%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    7.004,63
    +56,64 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    28.039,88
    -191,16 (-0,68%)
     
  • NIKKEI

    27.628,73
    -518,78 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    13.061,50
    +63,00 (+0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4098
    +0,0043 (+0,07%)
     

Após críticas, Scarlett Johansson desiste de interpretar homem trans em filme

Jordan Strauss/Invision/AP
Jordan Strauss/Invision/AP

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A atriz desistiu de interpretar um homem trans no filme “Rub & Tug”, após receber uma série de críticas por aceitar fazer o papel. Em comunicado publicado pelo site da revista americana Out, ela afirmou que entende porque muitos defendem que o papel seja feito por um transgênero.

Johansson iria interpretar o gângster Dante “Tex” Gill, um homem trans que controlou uma rede de bordéis em Pittsburgh, nos Estados Unidos, durante a década de 1970. Nascido como Lois Jean Gill, em 1931, ele comandou um império do crime até ser preso, nos anos 1980.

“Nossa compreensão cultural das pessoas trans continua a avançar, e eu tenho aprendido muito com a comunidade desde o primeiro anúncio sobre minha participação no filme e percebi que fui insensível. Tenho grande admiração e amor pela comunidade trans e agradeço que essa discussão sobre inclusão em Hollywood continue”, afirmou.

A atriz ainda aponta, citando uma ONG americana, que o número de personagens LGBT caiu 40% em 2017, na comparação com o ano anterior, sem ter havido nenhum personagem trans em nenhum dos grandes estúdios. “Eu acredito que todos os artistas devem ser considerados de forma igual e justa”, avaliou.

Essa não é a primeira vez que a escolha por Johansson para um papel provocou críticas. O filme “A Vigilante do Amanhã” (2016), remake do anime “Ghost in The Shell”, de 1995, foi acusado de “embranquecer” a personagem ciborgue “Major”, que, originalmente, tinha características mais asiática e acabou interpretada pela americana.