Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,38
    -0,08 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.762,40
    -4,40 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    63.052,49
    -63,00 (-0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.394,96
    +14,01 (+1,01%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.816,97
    +23,83 (+0,08%)
     
  • NIKKEI

    29.664,54
    +21,85 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    13.972,50
    -41,50 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7132
    -0,0079 (-0,12%)
     

Após compra de cervejas e picanha, Exército vai gastar R$ 80 mil com bonecos do Rambo

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
(Imagem: divulgação Tristar)
(Imagem: divulgação Tristar)

Depois de o Ministério da Defesa ostentar na compra de cerveja e de picanha, o Exército vai gastar R$ 730 mil em brindes e materiais para fotografia. A informação foi divulgada pela coluna Radar, da revista Veja.

Na lista de brindes, estão incluídos canetas, bonés e placas de vários tipos. Só com bonecos de soldados em miniatura, de dois tipos, em forma de Rambo, serão gastos R$ 80 mil, segundo a revista.

Leia também:

Os militares pretendem gastar também R$ 18.400 com 110 ‘kits para churrasco’, acondicionados em uma maleta de alumínio, com uma gravação a laser na tampa e com o brasão do Exército.

De acordo com a coluna, a compra está sendo feita pelo Batalhão Mauá, de Araguari (MG), mas os produtos deverão ser distribuídos para outras unidades do Exército.

Na semana passada, o Ministério Público Federal abriu investigação sobre a compra de cerveja pelo Ministério da Defesa, após o PSB entrar com uma representação sobre possíveis irregularidades em compras de cerveja e picanha feitas pela pasta, parte delas sem licitação.

O inquérito vai apurar “uso de recursos com ostentação e superfaturamento” e a “falta de zelo e responsabilidade com o dinheiro público” por parte das Forças Armadas.