Mercado abrirá em 5 h 14 min
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,67
    +1,17 (+1,90%)
     
  • OURO

    1.756,90
    +28,10 (+1,63%)
     
  • BTC-USD

    46.151,49
    +1.461,96 (+3,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    921,95
    -11,19 (-1,20%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    29.456,09
    +475,88 (+1,64%)
     
  • NIKKEI

    29.663,50
    +697,49 (+2,41%)
     
  • NASDAQ

    13.125,25
    +214,25 (+1,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7609
    +0,0026 (+0,04%)
     

Após ameaça de paralisação, Bolsonaro pede que caminhoneiros não entrem em greve

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Brazil's president Jair Bolsonaro speaks during the swearing-in ceremony of the Brazil's Tourism Minister Gilson Machado, amidst the Coronavirus (COVID - 19) pandemic at Planalto Palace on December 17, 2020 in Brasilia.  (Photo by Andre Borges/NurPhoto via Getty Images)
Brazil's president Jair Bolsonaro speaks during the swearing-in ceremony of the Brazil's Tourism Minister Gilson Machado, amidst the Coronavirus (COVID - 19) pandemic at Planalto Palace on December 17, 2020 in Brasilia. (Photo by Andre Borges/NurPhoto via Getty Images)

Diante da ameaça de paralisação dos caminhoneiros marcada para segunda-feira, dia 1º de fevereiro, o presidente Jair Bolsonaro fez um apelo, nesta quarta-feira (27), para que a categoria não faça greve na próxima semana.

"Reconhecemos o valor dos caminhoneiros para a economia do Brasil. Apelamos para eles que não façam greve, que todos nós vamos perder. Todos, sem exceção. Agora, a solução não é fácil. Estamos buscando uma maneira de não ter mais este reajuste", disse o presidente.

Leia também

Após reunião no Ministério da Economia, o mandatário afirmou que o governo trabalha estudando medidas para compensar a classe pelo aumento no diesel.

"Reconhecemos o valor dos caminhoneiros para a economia do Brasil. Apelamos para eles que não façam greve, que todos nós vamos perder. Todos, sem exceção. Agora, a solução não é fácil. Estamos buscando uma maneira de não ter mais este reajuste", declarou.

Segundo ele, a Petrobras segue o preço da tabela internacional. "A Petrobras segue uma planilha, tem a ver com o preço do petróleo lá fora, tem a ver também com variação do dólar. Ontem foi uma boa notícia, o dólar baixou R$ 0,20", afirmou.

Na terça-feira, a Petrobras anunciou aumento no preço do litro do diesel. Com isso, aumentou o descontentamento da categoria com o governo.

"Eu creio que a greve pode ser igual a 2018. A população está aderindo bem, os pequenos produtores da agricultura familiar também. Se não for igual, eu creio que vai ser bem mais forte do que 2018", alertou o presidente da Associação Nacional do Transporte Autônomos do Brasil (ANTB), José Roberto Stringasci.

A estatal informou que o preço médio do diesel passará a ser de R$ 2,12 por litro nas refinarias, refletindo um aumento médio de R$ 0,09 por litro, elevação de quase 4,5%.