Mercado fechado

Após 50 anos, Makro prepara saída do mercado brasileiro

·2 min de leitura
Principal motivo da desistência de atuar no mercado brasileiro é a forte presença das concorrentes. (Divulgação/Makro)
Principal motivo da desistência de atuar no mercado brasileiro é a forte presença das concorrentes. (Divulgação/Makro)
  • Makro prepara a venda de suas 24 lojas remanescentes no Brasil

  • No Brasil desde 1972, o Makro é uma empresa do grupo holandês SHV

  • Venda deve render R$ 2 bilhões à companhia.

A rede atacadista Makro está preparando sua despedida do mercado brasileiro após 50 anos de presença no país. A rede holandesa já tem dado indicações deste movimento há alguns anos e já havia repassado 30 lojas para o Atacadão.

Agora, o Makro prepara a venda de suas 24 lojas remanescentes no Brasil, localizadas em sua maioria no estado de São Paulo. A empresa responsável por achar um comprador para o Makro é o banco Santander.

No Brasil desde 1972, o Makro é uma empresa do grupo holandês SHV (Steenkolen Handels Vereeniging) e opera em 4 países da América do Sul: Argentina, Brasil, Colômbia e Venezuela, atualmente com mais de 130 lojas.

Segundo fontes ouvidas pelo Estadão, as 24 lojas que ainda restam devem render, no máximo, R$ 2 bilhões à companhia. É um valor parecido com o obtido com o repasse das 30 unidades ao Atacadão, de R$ 1,95 bilhão.

O principal motivo da desistência de atuar no mercado brasileiro é a forte presença das concorrentes, especialmente o Atacadão, do Carrefour, e o Assaí, do grupo Casino.

Outra razão para o Makro dar adeus à operação no Brasil é o fato de a matriz já ter deixado o negócio de varejo na Europa há mais de 20 anos. O SHV também já deixou o varejo na Ásia e na África. O outro grande negócio do grupo holandês no País é a Supergasbras, do setor de energia.

Grupo SHV

A SHV (Steenkolen Handeis Vareeniging) e uma empresa famiiar holandesa, formada em 1896, a partir de uma fusão entre várias grandes empresas de comercialização de carvão, algumas das quais estavam ativas desde o século XVIII. Após o declínio do carvão como fonte primária de energia, na metade do século XX, a SHV migrou para outras áreas de negócios.

Atualmente, além do Makro e Supergasbras, a empresa conta com a NPM Capital (serviços financeiros), Mammonet (logística), Eriks (serviços indústriasi) e Dyas (distribuição de gás).