Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    60.915,98
    -929,15 (-1,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Apoio de Moro cai de 65% em 2016 para 45% em 2021

·3 minuto de leitura
BRASILIA, BRAZIL - APRIL 24: Minister of Justice Sergio Moro speaks during a press conference to announce his resignation after president Bolsonaro dismissed Federal Police Chief Mauricio Valeixo at the Justice Ministry in Brasilia, Brazil on April 24, 2020 in Brasilia. (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)
Sergio Moro deixou o cargo de ministro no governo Bolsonaro em 24 de abril de 2020 (Foto: Andressa Anholete/Getty Images)
  • Trabalho de Moro na Lava Jato era avaliado como bom ou ótimo por 65% em 2016

  • Apoio ao ex-juiz caiu 20 pontos percentuais em 5 anos e chegou a 45%

  • No período, Moro deixou Operação Lava Jato e integrou o governo federal

O apoio ao ex-juiz e ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, caiu nos últimos cinco anos. Segundo pesquisa Datafolha realizada em 15 e 16 de março, o apoio a Moro teve queda de vinte pontos percentuais.

O levantamento mostra que 45% dos brasileiros consideram ótimo ou bom o trabalho de Moro na Operação Lava Jato. Em março de 2016, o índice era de 65%. Para 27%, o trabalho foi ruim ou péssimo. Há 5 anos, o índice era de apenas 11%.

Leia também

Os que consideram o trabalho regular são 25%, dez pontos percentuais a mais do que em 2016; 4% não sabem, índice que era de 9% há cinco anos.

A pesquisa foi feita com 2.023 brasileiros em todas as regiões e estado do país. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Depois de deixar a Operação Lava Jato, quando condenou o ex-presidente Lula, Moro assumiu o cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública no governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Em 2020, ele acusou o presidente de tentar interferir na Polícia Federal e deixou o cargo.

Condenação de Lula

Para 57% dos brasileiros, a condenação do ex-presidente Lula (PT) no caso do tríplex foi justa. O petista foi sentenciado a 9 anos e 6 meses na cadeia quando Moro era juiz da Lava Jato. Na segunda instância, a pena foi revisada para 12 anos 1 um mês. O Superior Tribunal de Justiça confirmou a condenação, mas diminuiu a pena para 8 anos e 10 meses. Lula ficou 580 dias preso.

Segundo o Datafolha, 38% consideram que a decisão foi injusta e 5% não souberam responder.

Sobre a decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, de anular todas as sentenças contra Lula, 51% dos entrevistados acreditam que ele agiu mal, enquanto 42% concordaram com a decisão; 6% não souberam responder. A decisão diz respeito aos processos do tríplex, do sítio de Atibaia e do Instituto Lula.

Em 9 de março, de forma monocrática, Fachin julgou que os processos contra Lula não deveriam ser julgados na vara de Curitiba. Por isso, Lula recuperou os direitos políticos. O assunto ainda será apreciado pelo plenário do Supremo Tribunal Federal.

Relembra a saída de Moro do governo Bolsonaro 

Sergio Moro deixou o governo Bolsonaro em 24 de abril de 2020. A saída aconteceu depois do presidente exonerar Mauricio Valeixo, diretor-geral da Polícia Federal e aliado de Moro desde os tempos da Operação Lava-Jato.

"O grande problema é por que trocar e permitir que seja feita interferência política ano âmbito da PF. O presidente me disse que queria colocar uma pessoa dele, que ele pudesse colher informações, relatórios de inteligência. Realmente, não é papel da PF prestar esse tipo de informação", disse o ex-ministro na ocasião.

Dias antes da exoneração, Moro teria dito a Bolsonaro que deixaria o cargo caso o presidente resolvesse interferir na Polícia Federal e na permanência de Valeixo.