Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,13
    +0,98 (+1,22%)
     
  • OURO

    1.929,30
    -13,30 (-0,68%)
     
  • BTC-USD

    23.071,23
    -159,56 (-0,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,95
    -3,24 (-0,61%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.566,78
    +522,13 (+2,37%)
     
  • NIKKEI

    27.362,75
    -32,26 (-0,12%)
     
  • NASDAQ

    12.067,25
    +194,00 (+1,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5184
    -0,0204 (-0,37%)
     

Aplicativo de RV permite que usuário "entre" nos vídeos

A startup Wist Labs começou a desenvolver um aplicativo de realidade virtual (RV) que promete converter clipes gravados em 2D — com a ajuda de tablets e smartphones —- em vídeos 3D, dando ao usuários a chance de literalmente “entrar” nas imagens.

Segundo a empresa, é preciso apenas utilizar um headset RV para ter uma imersão total no vídeo, criando uma espécie de realidade paralela que pode ser compartilhada com familiares e amigos à distância, para que todos se sintam como se estivessem no mesmo lugar.

“Tornamos mais fácil e acessível para qualquer um entrar e compartilhar suas memórias, apenas gravando um vídeo e usando o aplicativo para ter uma experiência totalmente imersiva e única”, disse o cofundador da Wist Labs, Andrew McHugh, ao site Freethink.

Mistura de realidades

A ideia de desenvolver um aplicativo fácil de usar, que combinasse ambientes de realidade virtual e aumentada, surgiu em meados de 2021. Foram necessários 16 protótipos até que a Wist Labs conseguisse chegar a um programa que ainda está na fase alfa de testes.

Aplicativo "transporta" o usuário para um ambiente virtual (Imagem: Reprodução/Wist Labs)
Aplicativo "transporta" o usuário para um ambiente virtual (Imagem: Reprodução/Wist Labs)

Para criar uma memória em três dimensões, o usuário precisa apenas apontar a câmera do celular e gravar um vídeo. Um software especializado coleta as informações necessárias para fazer com que o clipe capturado em 2D pareça tridimensional.

“Durante a captura das imagens, salvamos a cor, profundidade, pose do dispositivo, áudio e informações da cena. Esse conjunto em três dimensões é originado com a ajuda dos sensores LiDAR presentes em iPhones e iPads do modelo Pro”, acrescenta McHugh.

Quando o app estará disponível?

No vídeo compartilhado pela Wist Labs nas redes sociais é possível notar que ainda há bastante espaço para melhorias no aplicativo. Os clipes utilizados, por exemplo, apresentam falhas de renderização e muitos elementos da cena parecem estar ausentes.

Os clipes gerados pela versão alfa ainda apresentam falhas de renderização (Imagem: Reprodução/Wist Labs)
Os clipes gerados pela versão alfa ainda apresentam falhas de renderização (Imagem: Reprodução/Wist Labs)

Na página oficial da startup é possível preencher um formulário online para fazer parte de uma lista de espera para testar o app numa futura fase beta. Por enquanto, o programa só está disponível para iOS, e uma mensagem diz ainda que uma variante para o Quest VR será disponibilizada em breve.

“A combinação certa dessa nova tecnologia no futuro pode nos permitir capturar memórias imersivas, com momentos espaciais no tempo nos quais será possível voltar. Seria como se tivéssemos uma “penseira” do filme Harry Potter a nosso dispor, na tela de um telefone celular”, encerra Andrew McHugh.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: