Mercado fechará em 5 h 23 min
  • BOVESPA

    109.486,87
    +372,71 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.096,27
    +287,71 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,93
    +2,22 (+2,89%)
     
  • OURO

    1.643,40
    +10,00 (+0,61%)
     
  • BTC-USD

    20.190,34
    +982,43 (+5,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    461,43
    +2,29 (+0,50%)
     
  • S&P500

    3.692,71
    +37,67 (+1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.509,30
    +248,49 (+0,85%)
     
  • FTSE

    7.022,98
    +2,03 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.451,25
    +135,00 (+1,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1476
    -0,0318 (-0,61%)
     

Apetite do investidor estrangeiro deve crescer, diz Necton

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Necton Investimentos vê mais apetite do investidor estrangeiro no horizonte com crise global e atratividade no valor das empresas brasileiras em relação às Bolsas internacionais.

No ano, o estrangeiro injetou R$ 88,2 bilhões nas companhias brasileiras na B3, alta de 112% ante todo o ano passado, pulverizados em IPOs e ofertas subsequentes (follow on), representando cerca de 19%, e mercado secundário, com mais de 80% das participações, aponta a Necton.

Em 2018 e 2019 os saldos ficaram negativos em R$ 4,8 bilhões e R$ 6,5 bilhões, respectivamente. No primeiro ano da pandemia, o volume de investimentos fechou positivo em R$ 700 milhões e em 2021 saltou para R$ 41,5 bilhões.